Atas de Reuniões

  • 16ª Reunião do Comitê Consultivo e Executivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    -Rio de Janeiro, 28 de setembro de 2016

    Introdução

    A 16ª Reunião do Comitê Consultivo e Executivo da BVS Saúde Pública Brasil foi realizada no dia 28 de setembro de 2016, na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, na Fiocruz, Rio de Janeiro de forma presencial para que estava localizado na cidade e de forma virtual para as instituições cooperantes pertencentes a outros estados.

    Participantes

    1.ABRASCO
    Roseni Pinheiro – Pesquisadora Profa Adj do IMS/ UERJ - Pró-Cientista da UERJ/FAPERJ/ Líder GP do CNPq - LAPPIS Coord. DINTER CAPES UERJ-UEA Saúde Coletiva/Editora Staff da CEPESC EDITORA

    2.BIREME
    Diego Gonzales – Diretor (por webconferência)
    Juliana Souza - Bibliotecária/MIP/PFI/BIREME (por webconferência)
    Rosimeire Ribeiro - Bibliotecária/MIP/PFI/BIREME (por webconferência)

    3.FIOCRUZ:
    Hermano Castro.- Diretor da Escola Nacional de Saúde Sergio Arouca
    Vania Guerra – Bibliotecária/ Biblioteca de Saúde Pública/ICICT/Fiocruz
    Luciana Danielli – Bibliotecária /BVS Fiocruz/CICT/ICICT/Fioruz
    Fátima Martins – Bibliotecária - Coordenadora da Rede de Bibliotecas Fiocruz/ICICT/Fiocruz
    Marcia Verônica – secretária - Rede de Bibliotecas Fiocruz/ICICT/Fiocruz
    Gizele Rocha – Bibliotecária – Chefe da Biblioteca de Saúde Pública/ICICT/Fiocruz
    Simone Dib – Bibliotecária/Biblioteca de Saúde Pública/Icict/Fiocruz
    Ana Maranhão – Bibliotecária - Coordenadora do Repositório Institucional ARCA/ CTIC /ICICT/Fiocruz
    Adilson Araújo – Analista de sistemas/BVS Fiocruz/ CTIC /ICICT/Fiocruz
    Augusto Vinhaes– Analista de sistemas/BVS Fiocruz/ CTIC /ICICT/Fiocruz
    Aline Alves– Analista de sistemas/BVS Fiocruz/ CTIC /ICICT/Fiocruz
    Jorge Nundes – Analista de sistemas/Chefe do CTIC/ICICT/Fiocruz
    Fátima Duarte – Bibliotecária/Chefe da Biblioteca de Manguinhos/ICICT/Fiocruz
    Diones Ramos – Bibliotecária/ Biblioteca de Manguinhos/ICICT/Fiocruz
    Fátima Lopes – Bibliotecária/CCI/Escola Nacional de saúde Pública Sérgio arouca/Fiocruz

    4.Ministério da Saúde
    Sandra teixeira – Bibliotecária/CGDI/SAA/SE

    5.USP/ FSP
    Maria Imaculada da Conceição – Bibliotecária/Centro de Informação e Referência em Saúde Pública/Biblioteca de saúde Pública/FSP/USP

    Além dos membros do Comitê, estiveram presentes representantes diversos setores da Fiocruz, como:
    • Direção da ENSP;
    • Coordenação de Comunicação Institucional / ENSP
    • Rede de Bibliotecas;
    • Centro de Tecnologia em Informação e Comunicação em saúde (CTIC)
    • Repositório Institucional ARCA;
    • BVS Fiocruz
    • Biblioteca de Ciências Biomédicas/ICICT
    • Biblioteca de Saúde Pública/ICICT

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com a apresentação do novo Diretor da Bireme, Sr. Diego Gonzalez, com o objetivo de discutir o panorama atual da BVS-SP, seus avanços e desafios.
    O Sr. Diego se apresenta e agradece a oportunidade de poder falar na Reunião. Acrescenta que esta na Direção da Bireme há dois meses apenas.
    Fala sobre a importância da instância da BVS-SP, que foi a primeira BVS temática a ser criada, em 1999, e que devemos identificar os desafios da BVS no momento atual e trabalhar mais produtos dirigidos ao usuário final. A BVS-SP poderia inovar neste sentido. Procurar saber onde estão as brechas de informações para que se possa trabalhar para cobrir essas brechas.
    O Sr. Hermano se apresenta, frisando que um dos maiores desafios para o futuro da BVS é a crise atual, que afeta todo o sistema de saúde. Manter a BVS já será um grande desafio para os próximos anos, frente à falta de recurso financeiro, e que a semente que lançarmos hoje poderemos coletar daqui há alguns anos.
    O projeto de “Estudos de Usuários da BVS SP: um projeto piloto.” foi apresentado, surgindo vários comentários, elogios, críticas e sugestões de melhorias para que possa ser aplicado nas outras instâncias. (em anexo).
    Ana maranhão, Coordenadora do Repositório Institucional ARCA sugere que se faça uma apresentação do projeto para as outras BVS Fiocruz e demais instâncias BVS.
    Dando continuidade à pauta, Vania sugeriu criar uma pré-agenda para 2017, onde incluiria uma Reunião presencial do Comitê, já no primeiro semestre de 2017.
    Anunciou também a inclusão da Luciana Danielli (BVS Fiocruz) no Comitê Executivo, da Fátima Lopes (CCI/ENSP), que assumirá o projeto da CID Saúde, em parceria com a Biblioteca de Saúde Pública e da Diones Ramos (Biblioteca de Manguinhos), responsável pela BVS DIP). Fortalecimento com a inclusão dessas pessoas.
    As Instituições fazem apresentação de seus indicadores no biênio 2014-2016. – Contribuições para a BVS.
    A Luciana Danielli (BVS Fiocruz) informa que, no Portal de Teses e Dissertações em Saúde Públ9ica, houve alimentação exclusivamente pela BibSP/Fiocruz. Os outros centros cooperantes não alimentam desde 2011 e que, por isso, os números estão baixos. Indaga sobre a possibilidade de exclusão ou continuação no portal da BVS.
    A Juliana Souza sugere que haja colaboração para que volte a ser feito a alimentação na base Thesis.
    Segundo a Maria Imaculada da Conceição (FSP/USP), a redução da equipe tem dificultado o desenvolvimento de processos.
    Aline Alves (BVS Fiocruz) informa sobre um treinamento sobre a Fonte FI-ADMIN na Escola Politécnica em Saúde Joaquim Venâncio, que acontecerá em outubro.
    Juliana Souza informa que a Bireme também oferecerá um curso online Direve e LIS para FI-ADMIN – os campos permanecem os mesmos.
    Vania Guerra e Maria Imaculada da Conceição informam que estão com dificuldade de alimentar as fontes Direve e LIS. Juliana Souza ficou com a responsabilidade de verificar, junto aos técnicos da Bireme, o que está ocorrendo.
    Juliana Souza apresenta os novos descritores, recém incluídos no DeCS, e os eliminados.
    Propostas dos membros presentes na Reunião: ampliação do Comitê Consultivo, com a inclusão de instituições internacionais, da América latina; restauração e atualização do portal BVS; linhas de ação voltada para a gestão do conhecimento em Saúde Pública; rever temas do portal de evidências; e projeto tradução do conhecimento em Saúde Pública; reunião presencial em 2017.
    Criação de uma página no Facebook (endereço) – já criado pela Secretaria Executiva, mas ainda engatinhando. Aguardando o retorno do Leonardo Simonini, que está licenciado, para dar suporte.
    Aline Alves (CTIC Informação) sugere que se crie um ‘Fale conosco’. - traz demandas para a BibSP com 10 (dez) dias para retorno ao usuário.
    Fátima Martins (Rede de Biblioteca Fiocruz) sugere o uso de ferramentas que o público usa (mídias sociais). - atendimento com um tempo de resposta e dentro do horário de trabalho.
    Ao final da Reunião, foi apresentada, analisada e alterada a Matriz de responsabilidades (em anexo).

    [ ← Show Excerpt ]
  • 15ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 14 de maio de 2014

    São Paulo, 14 de maio de 2014, das 9h às 12h
    Local: Escola Municipal de Saúde

    Introdução
    A 15ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS Saúde Pública Brasil foi realizada no dia 14 de maio de 2014, na Escola Municipal de Saúde, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do seu Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes
    1. ABRASCO
    Prof. Moisés Goldbaum – Editor Científico da Revista Brasileira de Epidemiologia – FM/USP

    2. BIREME
    Adalberto Otranto Tardelli – Diretor
    Carmen Verônica Abdala - Gerente SCI e PFI/BIREME, Secretaria Executiva BVS-Brasil
    Renato Murasaki – Gerente MTI e AFI/BIREME
    Lilian Calò – Comunicação Científica/BIREME
    Joanita Barros – Bibliotecária MIP/PFI/BIREME
    Juliana Sousa – Bibliotecária MIP/PFI/BIREME
    Thaísa da Rocha Ziliotto MIP/PFI/BIREME

    3. FIOCRUZ
    Vania Guerra da Silva – Chefe Biblioteca de Saúde Pública – ICICT/FIOCRUZ
    Maria de Fátima M. Martins – Coordenadora da Rede de Bibliotecas da Fiocruz/ICICT
    Ana Maria Neves Maranhão – Chefe da Seção de Informação - CTIC
    Luciana Danielli de Araújo – Coordenadora da Biblioteca Virtual em Saúde FIOCRUZ

    4. FSP/USP
    Maria do Carmo Avamilano Alvarez – Chefe técnica da Biblioteca: Centro de Informação e Referência em Saúde Pública
    Alice Mari Miyazaki de Souza – Supervisora técnica
    Profa. Angela Maria Belloni Cuenca

    5. Ministério da Saúde
    Shirlei Rodrigues Gonçalves – CGDI
    Sandra Teixeira – Bibliotecária – CGDI/SAA/SE

    6. OPAS/OMS Brasília
    Dr. Nando Campanella – Coordenador UT Gestão do Conhecimento e Comunicação

    Agenda

    Boas-vindas, abertura e revisão da pauta
    Maria do Carmo (Carminha) da Faculdade de Saúde Pública da USP (FSP/USP) deu as boas vindas e convidou todos os participantes a se apresentarem. Após consultar os membros quanto à pauta, deu início à 15ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS SP Brasil.

    Conciliando as atividades da BVS Saúde Pública com a rotina do serviço
    A Profa. Angela Cuenca da FSP/USP, convidada a apresentar sua experiência na gestão da Biblioteca/CIR da FSP e da BVS SP, discorreu sobre o tema “Conciliando as atividades da BVS Saúde Pública com a rotina do serviço” mostrando como foi possível manter as atividades da Biblioteca/CIR, seja nas épocas em que houve a possibilidade de contratação de funcionários extraquadro, seja em períodos em que se tornou necessário contar somente com a equipe fixa. A experiência foi facilitada pelo Modelo de Gestão matricial utilizado pela Biblioteca/CIR, o que permitiu maior flexibilidade e oportunidade de participação da equipe. Descentralização, multidisciplinaridade e capacitação foram alguns dos desafios para a manutenção da BVS SP. Outro desafio foi manter o know-how na biblioteca. Oportunidades foram criadas, por meio de projetos oferecidos pela Universidade, que possibilitaram a troca de experiências com alunos de pós-graduação (especialistas em saúde), onde todos aprendem. Foram ainda relatados alguns casos de ex-colaboradores e os rumos que tomaram após sua participação em atividades da BVS SP na Biblioteca/CIR, como experiências bem-sucedidas. O aprendizado ao longo da vida, o aprender a aprender é o que permite a continuidade aos trabalhos.

    Marcos da BVS Saúde Pública
    Adalberto, Diretor da BIREME, apresentou os marcos da BVS Saúde Pública. Há uma dúvida se a BVS SP foi a primeira ou a segunda BVS a ser lançada, pois foi concomitante com a BVS Adolec. Falou sobre o papel do Comitê Consultivo, da Secretaria Executiva e da matriz de responsabilidade. Apresentou as várias fontes de informação, oferecidas desde o lançamento, como o LIS, que trouxe qualidade de informação em relação ao Google, Textos Completos, Terminologia, Estrutura Temática (temas de saúde pública), Portal de Teses, Diretório de Eventos, Revisão das Áreas Temáticas da BVS SP Brasil, Clipping de Notícias. Ressaltou que o Portal de Pesquisa da BVS SP é o melhor que temos hoje. Houve um aumento crescente do número de usuários. Ele também mencionou a falta de um observatório na BVS SP, como um estudo da evolução temática, por exemplo.

    Informe da Secretaria Executiva
    Carminha informou que Maria Imaculada, responsável pela Gestão de Projetos da Biblioteca/CIR da FSP/USP, estava em férias e que ela muito ajudou no acompanhamento das atividades de Secretaria Executiva e na organização da reunião. Comunicou que o informe do período está pendente e solicitou as apresentações dos presentes para que possa ser elaborado e disponibilizado no portal. Sugeriu que a matriz de responsabilidades pudesse ser discutida futuramente numa reunião técnica. Relembrou que a 1ª reunião do Comitê Consultivo foi realizada em maio de 1999 e que este ano estamos realizando a 15ª reunião. Apresentou as atividades desenvolvidas pela Secretaria Executiva em 2012, dentre elas a atualização de conteúdos do site da BVS SP, a revisão da terminologia para as estratégias de busca das áreas temáticas e subtemas do Portal da BVS SP (atividade do TC50), o preparo e realização da 14ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS SP (abril 2012) e a atualização e disponibilização no site da Matriz de Responsabilidades. Mencionou ainda a participação na VI Reunião da Rede BVS no Brasil e XIV Reunião da Rede Brasileira de Informação em Ciências da Saúde, realizadas em Gramado, RS (setembro 2012) e também na 6ª Reunião de Coordenação Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS6), realizada em Washington, DC (outubro 2012). Em seguida, apresentou as atividades realizadas em 2013, como a colaboração da Secretaria Executiva na migração para a plataforma WordPress, do site da BVS SP e do Clipping de Notícias. Por fim, mencionou a participação na IV Reunião do Comitê Técnico da BVS Brasil e no 1º Fórum da Rede BVS Brasil, realizados na Fiocruz, RJ. Também, em 2013, a Biblioteca/CIR recebeu a visita das bibliotecárias Vânia, Gizele e Conceição, do ICICT/Fiocruz, com o objetivo de conhecer as atividades de secretaria executiva da BVS SP. Isto porque na 13ª reunião houve uma proposta da Profa. Angela de haver um rodízio entre as instituições, ocasião em que a FSP/USP ficou responsável pela Secretaria Executiva da BVS SP.

    Informe das Instituições do Comitê Consultivo
    Sandra Teixeira do Ministério da Saúde (MS), apresentou as fontes de informação sob responsabilidade do MS, de acordo com a matriz de responsabilidade, iniciando pelo Coleciona SUS. Em seguida, falou sobre terminologia, glossários temáticos já lançados (Gestão Editorial, Controle do Câncer, Ciência e Tecnologia em Saúde) e em fase de elaboração dos termos (Saúde do Homem e Fatores de risco em câncer), Glossário Saúde Suplementar, legislação em saúde pública (nova interface do Saúde Legis em parceria com o DataSUS). Informou ainda que a BVS do Ministério da Saúde está acessível pelo WordPress, mas vai passar para Joomla.

    Vania Guerra do ICICT/FIOCRUZ apresentou indicadores e resultados da Biblioteca de Saúde Pública 2012/2013, em relação às seguintes fontes: Teses e dissertações em saúde pública, Portal Thesis, Diretório de Defesas e Eventos, Clipping de Notícias e Base LILACS. Quanto ao Diretório de Eventos tem havido problemas, não sendo possível sua atualização. Com o desenvolvimento na nova plataforma, o problema deverá ser solucionado. O Clipping de Notícias já está operando na plataforma WordPress, mas a ferramenta não permite que se visualize quantos registros foram inseridos por instituição e por ano. Adalberto comentou que a escolha pelo WordPress foi uma mudança estratégica na BIREME. Vania informou que foram feitas mais de 40 revisões sistemáticas no período e ministrados cursos aos alunos de pós-graduação da ENSP e capacitação de grupos de pesquisa. Foram realizadas oficinas de trabalho em Moçambique. De acordo com Fátima, em certa medida, os treinamentos são frustrantes, pois não há continuidade, há deficiência em informática (terceirizada). Luciana mencionou que falta entendimento do modelo de trabalho em rede. Verônica complementou dizendo que a BVS SP é um importante instrumento de cooperação com países de língua portuguesa e isso fortalece a BVS. Vania encara como desafio coordenar a Secretaria Executiva, fortalecer a rede de cooperação, dar continuidade ao Projeto BVS Arouca, reativar o projeto de digitalização de teses e dissertações. Como avanços, foram mencionados maior integração Biblioteca X Pós-Graduação ENSP, inserção na grade curricular dos cursos de Pós-graduação da ENSP, impacto das aulas de busca bibliográfica e Zotero Standalone e o oferecimento de cursos de Inverno/Verão.

    Dr. Nando da OPAS/OMS informou que esta foi sua última participação no Comitê, pois sua aposentaria sairia em um mês. Considerou que a OPAS poderia ter apresentado mais resultados, poderia ter divulgado mais a experiência da BVS e falou do risco em relação às pequenas bibliotecas virtuais, da queda do interesse e da possibilidade de uma BVS se tornar um cemitério digital. Ele defende o fortalecimento das BVS consolidadas e menor quantidade de BVS pequenas para assim contribuir com uma melhor qualidade da Web e servir de canal de comunicação com a imprensa. A BVS é um serviço que precisa de staff permanente, com projetos de 5 anos e não de 5 meses. Destacou a importância da gestão do conhecimento.

    Pela BIREME, Verônica e Renato falaram sobre o desenvolvimento do Clipping de Notícias, já na nova plataforma e outras inovações em fase de homologação como interface responsiva (para dispositivos móveis), acessibilidade. Verônica mencionou a colaboração da BIREME na manutenção do servidor e backups da BVS SP, bem como toda a infraestrutura para o seu funcionamento na Web.

    Prof. Moisés, da ABRASCO, entende que é necessário rever o papel da ABRASCO no Comitê Consultivo. Para ele a BVS SP é um movimento exitoso e a ABRASCO se coloca mais como sua usuária, podendo promover o debate sobre a gestão do conhecimento.

    Alice, pela FSP/USP, apresentou as atividades desenvolvidas pela Faculdade de Saúde Pública da USP, por meio de sua biblioteca, em 2012-2013. Em relação à Capacitação, desde 1993, a Biblioteca/CIR oferece treinamento da LILACS e desde 2004, treinamento sobre BVS SP. Os treinamentos, oferecidos em duas modalidades (treinamentos e disciplinas) foram realizados em 2012 e 2013, com cerca de 500 alunos treinados. Falou sobre a experiência da Audioteca, utilizando-se não só da equipe fixa, mas também de equipe extraquadro, por meio de Projetos da USP, que tem possibilitado a continuidade deste trabalho. Alice apresentou os resultados do LIS, coordenado pela Biblioteca/CIR, e destacou a importância de se rever a necessidade de aprofundar discussão sobre essa fonte. Em relação à LILACS, a FSP/USP está indexando 8 títulos e participou como piloto na implantação da nova plataforma de submissão (LILACS Submission). Mencionou as demais colaborações: divulgação da terminologia, Clipping de Notícias, Diretório de Eventos, SCAD, Portal de Revistas Científicas da Saúde (SeCS) e Diretório de Teses. Em relação a essa última fonte, informou que a biblioteca está se empenhando na disponibilização de suas dissertações e teses, com mais de 150 mil páginas digitalizadas, a partir de um projeto FAPESP.

    BVS Saúde Pública Brasil – Debates e perspectivas futuras
    Verônica comentou que até agora a matriz de responsabilidade esteve focada no portal (operacional), mas que é necessário pensar em grandes desafios, como gestão do conhecimento e a tradução do conhecimento ITD, escutar o usuário para ver se está atendendo, dar razão a todo o trabalho.

    Fátima da FIOCRUZ apresentou várias propostas para a BVS Saúde Pública: fortalecimento da rede de cooperação para ampliação das parcerias e regionalização; realinhamento de produtos e serviços (estudo de usuários e necessidades); análise da usabilidade e navegação no BVS site; promoção da conexão com os repositórios institucionais ou temáticos; desenvolvimento de ferramentas de acesso para celular e tablets; personalização e serviços de alerta; promoção e marketing nas redes sociais; capacitação permanente de usuários (maior investimento em EAD); submissão de projeto para o Edital BVS. Em relação às Notícias em Saúde Pública, sugeriu a atualização do WordPress, ampliação das mídias e categorização das notícias

    Shirlei do MS falou da importância da BVS SP e que o MS já é parceiro da BIREME na Secretaria da BVS Brasil e que concorda com a rotatividade e que isso tem tudo a ver com a rede. Falou sobre a mudança para o WordPress como uma sugestão da CGDI e sobre a Gestão do Conhecimento.

    Vânia sugere maior realização de reuniões técnicas virtuais.

    Prof. Moisés menciona que sente falta do pessoal executivo da saúde, gestores (CONASS, CONASEMS). Neste sentido, Luciana da FIOCRUZ comenta que a BVS FIOCRUZ Integralidade já tem essa atuação, incorporando escolas técnicas do SUS, BVS Educação Profissional e a RIPSA, com o CONASEMS.

    Recomendações e propostas:
    - Nova Secretaria Executiva, coordenada pela FIOCRUZ
    - Revisão da matriz de responsabilidade
    - Criação de grupos técnicos (discussões mais constantes)
    - Ampliação do Comitê Consultivo

    [ ← Show Excerpt ]
  • 14ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 04 de abril de 2012

    São Paulo, 04 de abril de 2012, das 9h30 às 13h00
    Local: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

    Introdução
    A 14ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS Saúde Pública Brasil foi realizada no dia 04 de abril de 2012, na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do seu Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes
    1. ABRASCO
    Márcia F. de Almeida – Editor Científico da Revista Brasileira de Epidemiologia – FSP/USP

    2. BIREME/OPAS/OMS
    Adalberto Tardelli, Diretor
    Lilian Calò, Gerente PFI
    Claudia Guzzo, Supervisora MIP/PFI
    Bárbara Uehara,Técnica MIP/PFI

    3. FIOCRUZ
    Vania Guerra da Silva – Chefe da Biblioteca de Saúde Pública – ICICT/FIOCRUZ

    4. FSP/USP
    Angela Maria B. Cuenca – Chefe Técnica da Biblioteca e Centro de Informação e Referência – FSP/USP
    José Estorniolo Filho – Bibliotecário Supervisor da Área de Acesso à Informação – FSP/USP
    Maria do Carmo A. Alvarez – Bibliotecária Supervisora da Área de Processamento e Bases de Dados – FSP/USP
    Maria Imaculada da Conceição – Bibliotecária Supervisora da Área de Gestão de Projetos – FSP/USP

    5. Ministério da Saúde (MS)
    Shirlei R. Gonçalves – Coordenadora da Biblioteca – CGDI/SAA/SE
    Sandra Teixeira - Bibliotecária CGDI/SAA/SE/MS

    6. OPAS/OMS
    Nando Campanella - Coordenador de Gestão do Conhecimento e Comunicação
    da OPAS/OMS

    Ausência justificada :
    Maria de Fátima M. Martins – Coordenadora da Rede de Bibliotecas da Fiocruz/ICICT

    Agenda
    A 14ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS SP Brasil teve início com as palavras de boas-vindas da Profa. Helena Ribeiro, diretora da Faculdade de Saúde Pública da USP, que destacou o trabalho voluntário de todos. Em seguida, a Profa. Angela Cuenca agradeceu a presença de todos, repassou a agenda de trabalho prevista para a sessão, confirmando as apresentações que seriam feitas, e, em seguida, deu a palavra aos membros do Comitê.

    Informe da Secretaria Executiva
    Angela falou sobre o papel da FSP como Secretaria Executiva, do seu empenho em desenvolver projetos com ou sem financiamentos, lembrando que, embora nesse período não tenha havido grandes recursos para projetos, houve o compromisso de não parar. Observou, ainda, que quando não há recursos externos à Biblioteca/CIR, as tarefas são dividas pela equipe, que também colabora em atividades da própria FSP, com o SiBIUSP e com a própria BIREME. Mesmo assim a Secretaria Executiva ficou devendo marcar mais reuniões e cobrar colaboradores nas tarefas. Outra colocação foi de que a área de informática está avançada e que podemos combinar reuniões do comitê com a tecnologia de teleconferência.

    Dando início ao informe, Imaculada apresentou as atividades desenvolvidas pela Secretaria Executiva, entre as quais a atualização de conteúdos do site, a participação em reuniões da Rede BVS Brasil, organização de reuniões a distância, elaboração de documentos com sugestões para melhorias na interface de busca do portal BVS-SP, solicitação de alteração do endereço do LIS, revisão da terminologia, participação em reunião a distância – FSP/BIREME/Fiocruz e organização de reunião técnica, em maio de 2011. Durante a reunião técnica ocorreu a atualização da matriz de responsabilidade e mudanças na distribuição da indexação de revistas para LILACS, além da atualização da lista dos títulos indexados.

    Cláudia questionou sobre a distribuição da indexação das revistas (se havia um equilíbrio e se estava funcionando). Maria do Carmo relatou a situação da FSP, que passou de 12 para 10 revistas indexadas, pois um título, Revista de Saúde Pública, já é indexado pela BIREME para Pubmed/Medline, e outro, Cadernos de Saúde Coletiva, será indexado pela UFRJ, por interesse da própria instituição. Maria do Carmo aproveitou para perguntar à representante de Fiocruz, Vania Guerra, sobre a situação da revista Higiene Alimentar, que estava com a entrega irregular. Segundo Vania, a situação foi regularizada.

    Adalberto informou que além da indexação de revistas para Medline que é utilizada para LILACS, a descrição bibliográfica, ou seja, os metadados das revistas SciELO passarão a ser transferidos para LILACS na semana seguinte à publicação no SciELO, e há o objetivo de que os artigos com palavras-chave que sejam também DeCS/MeSH tenham uma indexação automática, mas a indexação continuará sendo responsabilidade da rede LILACS. Ele questiona se isso resolve e quanto – metade do problema?

    Angela considera que é uma iniciativa válida, desde que não haja retrabalho com os descritores, já que essa é uma tarefa executada por especialista, diferentemente da descrição bibliográfica, que pode executada por um estagiário treinado, por exemplo. Lilian comentou que as revistas que não são SciELO têm a alternativa de enviar os textos completos em formato PDF para o repositório SciELO, o que dá mais visibilidade à revista, mas que isso depende de negociações entre os editores e o SciELO.

    Comentou-se se não seria indicado que a revista Higiene Alimentar fizesse parte desse repositório. Angela lembrou que essa é uma revista técnica, e não científica.

    Informe das Instituições do Comitê Consultivo
    Na apresentação da FSP, Maria do Carmo apresentou os dados da colaboração para a fonte LIS SP, que é parte do LIS Regional, destacando que em 2011 foi executada a alteração da interface do LIS para adequação às demais páginas da BVS Saúde Pública, onde foram incluídos também novos temas e elaboradas estratégias de busca para cada um deles. Uma das dificuldades dessa fonte é a verificação semanal dos links. Além do LIS SP, foram apresentados os dados de colaboração para as fontes LILACS, CidSaúde e Audioteca. A FSP também teve uma participação significativa na capacitação e divulgação da BVS/LILACS, que é parte do Programa Educativo da Biblioteca/CIR e objeto de disciplinas na FSP. Também colabora com a assessoria ao DeCS.

    Angela lembrou que a base CidSaúde, criada em colaboração com o CEPEDOC, possui uma parte seletiva bem ampla, sendo que, no momento, a Biblioteca/CIR não tem recebido nenhum aporte do CEPEDOC, e que a base é mantida apenas com os recursos da própria biblioteca. Cláudia comentou que uma estratégia de sustentabilidade é aumentar o número de instituições que colaboram com a fonte.

    Sobre a Audioteca, Angela lembrou que nasceu de um projeto maior, que envolvia radialistas de rádios comunitárias. O que precisa ser feito agora é a avaliação de impacto; outra questão é o fato de que as gravações possuem uma linguagem técnica, o ideal seria uma linguagem popular. A equipe atualmente é formada por um técnico voluntário, uma jornalista da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e uma bibliotecária da FSP. Um áudio de 5 minutos leva, em média, dois dias de trabalho para as edições de som e de conteúdo.

    A Profa. Márcia comentou que na Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, após o projeto passar no comitê de ética, o pesquisador é convidado a gravar um programa que é veiculado na rede básica de saúde, tendo como alvo preferencial o profissional da saúde e não a população. Ressaltou a importância de quem faz a entrevista, porque as perguntas e comentários feitos decodificam a linguagem e conduzem ao resultado desejado. Sobre a Audioteca, Angela perguntou se o portal de mídias da BIREME já estava em funcionamento. Adalberto respondeu que não e Bárbara complementou que ainda faltam os desenvolvimentos em relação ao IAHx.

    Ainda sobre a apresentação da FSP, Lilian perguntou se existe capacitação para pós-graduação que oriente como fazer seus trabalhos, como escrever suas teses, por exemplo. Angela respondeu que a FSP oferece todo ano, no seu Programa de Inverno, um curso de escrita científica; além disso, há uma disciplina da pós-graduação com duração de 90 horas, que ensina os fundamentos de como escrever, orienta sobre bases de dados, título do trabalho, descritores, porque uma revista é LILACS, títulos Qualis etc.

    Em seguida, iniciou-se a apresentação de José, também pela FSP, para falar sobre o trabalho de revisão e atualização da terminologia das áreas temáticas da BVS SP. O trabalho foi executado investindo-se prioritariamente na relevância e pertinência dos registros recuperados e na redução de seu número, levando em conta a praticidade para o usuário. Procurou-se recuperar aspectos mais gerais das áreas temáticas, mesmo porque, para os aspectos mais específicos, o usuário conta com o mecanismo de busca da BVS-SP. Além de José, esse trabalho também foi desenvolvido pela bibliotecária Maria Lúcia Ferraz, que já participou de vários projetos da BVS SP. Angela ressaltou o trabalho árduo e intenso desenvolvido por José e Maria Lúcia para a conclusão desse projeto.

    Após o intervalo, Sandra iniciou a apresentação do Ministério da Saúde (MS). Em relação às fontes de informação que estão sob responsabilidade do MS, de acordo com a matriz de responsabilidade, a primeira a ser abordada foi o Coleciona SUS, para a qual foi feita atualização de conteúdo da base com o apoio de uma consultoria, criação da publicação on-line do guia eletrônico das bibliotecas da rede BiblioSUS e oferta de treinamento para os membros da rede, além de ações para fortalecimento da Secretaria Executiva da rede BiblioSUS.

    Shirlei relatou a situação com a questão da equipe, que atualmente conta com apenas 8 bibliotecários, sendo que houve a perda de 5 bibliotecários que eram contratados, mas aguarda a chamada de novos bibliotecários por concurso. Comentou também sobre os planos de regionalizar a rede BiblioSUS, com ações de descentralização.

    Em relação às fontes de terminologia – o glossário, os tesauros e os siglários –, atualmente estão em processo de revisão dos existentes e criação de novos produtos, por interesse e necessidade das áreas. Entre os novos glossários está o de hanseníase, em fase de levantamento dos termos. Nesse momento, Claudia sugeriu que, em relação ao levantamento de termos, o MS poderia fazer parceria com a BVS Hanseníase e que isso seria um incentivo/estímulo àquela BVS. Retomando a apresentação, Sandra falou sobre o tesauro do MS, que é utilizado para complementar o DeCS e que está passando por uma revisão para incorporar termos do Saúde Legis. Sandra destacou o trabalho feito pelos linguistas da equipe, em conjunto com as áreas técnicas, para elaboração ou revisão dos glossários e siglários.

    Outra área que passa por reestruturação é a Legislação em Saúde (Saúde Legis), para a qual está sendo desenvolvida uma nova interface com o apoio do DATASUS, o que facilitará a entrada e saída dos dados. Também estão sendo feitas alterações visando melhoria na interação entre o sistema e o usuário final e parcerias com entidades vinculadas que utilizam o Saúde Legis, em relação ao tratamento da informação. Está prevista também a formação de um grupo de trabalho juntamente com a Consultoria Jurídica junto ao MS (CONJUR) para elaboração do texto consolidado das normas do MS.

    Finalizando a apresentação, Sandra contou que está previsto para o ano o uso de recursos do TC50 com o objetivo de atualização das fontes de informação, apoio no desenvolvimento de conteúdos e na gestão da BVS Saúde Pública.

    Vânia Guerra, pela Fiocruz, apresentou os resultados e indicadores realizados pela Biblioteca de Saúde Pública (ICICT/Fiocruz). As fontes sob responsabilidade da Fiocruz são: Teses e dissertações em saúde pública, Portal Thesis, Diretório de Defesas, Diretório de Eventos e o Clipping de Notícias, que tem apresentado problemas, não sendo possível, atualmente, sua alimentação. Na colaboração com a LILACS, a equipe da Fiocruz indexa quatro títulos de revistas.

    A equipe também atua em pesquisas, por meio de consultoria e participação nas revisões sistemáticas em pesquisas biomédicas e na definição de metodologia e estratégias de buscas para realização de revisões sistemáticas e metanálises. Em relação à capacitação, Vânia destacou a oferta de cursos para profissionais da informação, além dos cursos e oficinas oferecidos aos alunos dos cursos de mestrado, doutorado, especialização, aperfeiçoamento e grupos de pesquisa.

    A equipe da biblioteca também colabora com as iniciativas de cooperação internacional da instituição, oferecendo treinamento aos alunos de mestrado em saúde pública de Angola; participando da rede ePORTUGUESÊse, colaborando com a gestão de bibliotecas e desenvolvimento de coleções em São Tomé (África), além da cooperação técnica com o Instituto Nacional de Moçambique e apoio à Rede de Centros Cooperantes da Biblioteca Virtual de Saúde em Moçambique, entre outras atividades.

    Considerou como avanço para o período o trabalho realizado para atingir a meta de acessibilidade digital, que contribui com a inclusão social e educacional dos profissionais da saúde portadores de deficiências físicas. Entre as ações, a aquisição de equipamentos de acessibilidade: escâner bookreader voz natural, impressora em Braille e ampliador de imagem. Entre os desafios: ampliar o número de beneficiário no projeto de competência informacional, digitalizar e indexar obras históricas da história da saúde pública.

    Apresentou como propostas de desenvolvimento da BVS SP: estudos de usabilidade, criação de ferramentas para compartilhamento de artigos, tutoriais de pesquisa, tradutor e criação de campo “criado por” no diretório de eventos para facilitar a recuperação estatística. Finalizando a apresentação, cumprimentou a equipe da BIREME pela inclusão de novos campos no metabuscador da BVS SP.

    Pela BIREME, Bárbara apresentou as atividades que foram desenvolvidas, dividindo a apresentação em duas partes: a primeira são as atividades de cooperação técnica e a segunda são os projetos.

    Em relação ao primeiro tópico, cooperação técnica da BIREME/OPAS/OMS, as principais atividades na qual a BIREME está envolvida, segundo a matriz de responsabilidade, são: manutenção do portal da BVS e interface de pesquisa integrada (IAHx), bases bibliográficas, SCAD, infraestrutura, Hosting, capacitações, suporte técnico e metodológico, notícias em saúde pública, evidências em saúde pública, revistas em saúde pública, divulgação da BVS em eventos

    A LILACS conta hoje com 585.565 registros, sendo que 204.825 são registros com textos completos e103 registros com áudio, do projeto Audioteca da FSP. Sendo possível que os registros sejam filtrados por áudio e/ou vídeo na interface de busca. Bárbara apresentou em seguida os números totais da colaboração dos centros cooperantes, membros do comitê, que apresentaram uma ligeira queda, de forma geral, em relação a 2010 e 2011, com exceção da BIREME. Bárbara sugere retomar, em outra ocasião, o monitoramento dos centros cooperantes que não fazem parte do Comitê Consultivo, para saber com está o andamento, como tentar estimular e saber se precisam de algum apoio. Angela sugere que a possibilidade de participar do CRICS é um ótimo apoio, um incentivo à indexação, ou seja, oferecer a participação no CRICS como forma de premiação.

    Em seguida, Bárbara apresentou os dados do SCAD e Claudia destacou a contribuição de algumas instituições do Comitê Consultivo, que possuem números relevantes nessa contribuição, dentre as quais a FSP ocupa a oitava posição e que a USP com os diferentes centros aparece em diferentes posições, sendo os que mais contribuem Ribeirão Preto e Bauru. Angela questiona qual é posição da USP se forem somadas as contribuições dos diversos centros. Como esse dado não estava disponível, Angela ressalta a importância de informar qual posição a USP ocupa no total. Angela também informa que a partir de 2012 a USP adotará a política de não assinar periódicos em formato impresso quando estiverem disponíveis no formato digital.

    Sobre a manutenção das bases de dados, Bárbara apresentou a periodicidade da atualização, a quantidade de registros em cada base, espaço ocupado em disco e o número de horas despendidas. Com relação ao Portal BVS SP, apóiam na manutenção de infraestrutura e servidor, no apoio técnico e metodológico para manutenção e atualização das fontes de informação, na manutenção do sistema de pesquisa integrada (IAHx) e sua atualização, com o envolvimento de várias equipes da BIREME.

    O Portal de Evidências em Saúde Pública possui 27.347 registros distribuídos em 11 temas em saúde pública, sendo que foi atualizado em 2011, apresentando hoje um novo layout que inclui quatro novos temas: Dengue, Hanseníase, Influenza A e Mortalidade infantil. Em relação ao Portal de Revistas em SP, que possui 283 títulos, sendo 109 de acesso livre e gratuito, colaboram na manutenção do aplicativo e na atualização de dados recebidos da rede, mas a responsabilidade da seleção é da FSP. Angela fez algumas considerações sobre a desatualização do portal, que no momento não há pessoal para fazer a revisão e que está sendo estudado como fazer o controle dos periódicos que serão apenas eletrônicos e o fornecimento para a comutação. Angela lembrou que a assinatura do convênio USP/BIREME ainda está em andamento, tendo ficado aos cuidados de Luciano (BIREME) e que até o momento não foi formalizado. O convênio deverá ser assinado pelo reitor da USP.

    Sobre o Clipping de notícias, a BIREME colabora na manutenção do aplicativo e cooperação com conteúdos que possui mais de 1300 registros. A responsabilidade pela monitoria é da ENSP/FIOCRUZ, mas o clipping está temporariamente desabilitado por problemas técnicos no servidor e na aplicação, aguardando análise da equipe da BIREME. Barbara informou que apenas o clipping da BVS SP está com problemas, outras instâncias estão com seus clippings ativos. Adalberto informa que estão analisando a proposta de passar a fonte para a plataforma Wordpress, uma solução que não precisa de outro desenvolvimento e apresenta algumas vantagens. Bárbara finalizou a primeira parte da apresentação, com os trabalhos realizados para divulgação da BVS-SP, em especial no SNBU, onde foram oferecidos alguns cursos.

    Iniciou o segundo ponto da apresentação falando sobre os projetos específicos do termo de cooperação OPAS/MS – 50º Termo de Cooperação entre Ministério da Saúde e Organização Pan-Americana da Saúde, com colaboração da BIREME – Macro-atividade 5.4. Destacou que poucas BVS foram contempladas, sendo a BVS SP uma das cinco, demonstrando assim a importância dessa BVS no cenário nacional. Uma das linhas da macro-atividade foi o suporte técnico-metodológico para operação dos aplicativos e para gestão da BVS, na qual foi incluída a transferência do LIS da BVS SP para os servidores da BIREME, sendo também realizada a atualização de versão do aplicativo, o ajuste do layout, a revisão das áreas temáticas disponíveis etc. Essa atividade teve o apoio da FSP.

    Entre as atividades também estiveram a realização de reuniões técnicas - presenciais e on-line - para manutenção das fontes de informação, e o aprimoramento do serviço de pesquisa integrada - IAHx

    Sobre o aprimoramento da pesquisa, Angela comentou que o resultado de busca é alto, propondo tirar a base Medline da metabusca inicial, ficando em outro nível em que o usuário faça a opção por ela. Justifica essa proposta pelo fato de que a BVS SP é temática para saúde pública Brasil e que o resultado inicial é mais abrangente do que isso. É uma forma de deixar o resultado mais pertinente, recuperando melhor os dados da LILACS e sobre saúde pública.

    Lilian e Cláudia sugerem tentar fazer um recorte dentro da própria Medline que represente melhor o Brasil. Adalberto propôs fazer uma cópia da instância, sem Medline na metabusca, e testar se há melhora no resultado.

    Cláudia informou que a BVS SP, certificada em 2002, deverá passar por um processo de avaliação, de forma que essa avaliação possa contribuir para uma renovação da própria BVS.

    Recomendações e propostas:

    - Viabilizar recortes mais temáticos para a busca na Medline, dentro da BVS SP, e verificar a possibilidade de disponibilizar as duas versões.

    - Organizar a próxima reunião do Comitê Consultivo para que ocorra durante o próximo CRICS, em Washington, que terá dois dias para a rede BVS. A sugestão teve o apoio de Adalberto.

    - Participar no congresso da ABRASCO. A Profa. Márcia irá verificar a possibilidade de espaço (stand) para representação da BVS SP no evento. Angela pediu o apoio do MS e da BIREME para preparar material de divulgação.

    - Compartilhar mais experiências no espaço colaborativo da BVS, o que ocorrerá com as apresentações feitas durante a reunião, que estarão disponíveis no referido espaço.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 13ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 02 de setembro de 2010

    São Paulo, 06 de agosto de 2010, das 13h00 às 18h00
    Local: BIREME/OPAS/OMS

    Introdução

    A 13ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS Saúde Pública Brasil foi realizada no dia 06 de agosto de 2010, no Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde - BIREME/OPAS/OMS, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do seu Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes

    Palestrante convidado
    Abel L. Packer, Ex-Diretor da BIREME (1999-2010) e atual colaborador da Fundação de Apoio à UNIFESP (Fap/UNIFESP) em assessoria de informação e comunicação em ciência

    1. ABRASCO
    Moisés Goldbaum - Editor Científico da Revista Brasileira de Epidemiologia – FM/USP
    Márcia F. de Almeida - Editor Científico da Revista Brasileira de Epidemiologia – FSP/USP

    2. BIREME/OPAS/OMS
    Lilian Calò, Gerente PFI
    Carmen Verônica M. Abdala, Gerente SCI
    Adalberto Tardelli, Gerente AFI
    Claudia Guzzo, Supervisora MIP/PFI
    Elenice de Castro, Supervisora CEI/GA
    Patrícia Santos, Supervisora CEI/GA
    Julio Takayama, Supervisor CEI, GA
    Bárbara Uehara,Técnica MIP/PFI

    3. FIOCRUZ
    Maria de Fátima M. Martins - Chefe da Biblioteca de Saúde Pública - ICICT/FIOCRUZ

    4. FSP/USP
    Angela Maria B. Cuenca - Diretora da Biblioteca e Centro de Informação e Referência – FSP/USP
    Maria do Carmo A. Alvarez - Bibliotecária Coordenadora da Área de Processamento e Bases de Dados –  FSP/USP

    5. ISC/UFBA
    Maria Creuza F. da Silva - Bibliotecária e Representante – ISC/UFBA

    6. Ministério da Saúde (MS)
    Shirlei R. Gonçalves - Coordenadora da Biblioteca – CGDI/SAA/SE
    Gilvânia Mello - Coordenadora de Gestão do Conhecimento – DECIT/MS

    7. OPAS/OMS
    José G. Moya - OPAS Brasil – Coordenador da Unidade de Informação em Saúde, Gestão do Conhecimento e Comunicação

    Ausências justificadas:
    Eliane P. dos Santos – Coordenadora Geral de Informação e Documentação do
    Ministério da Saúde
    Ilma H. Noronha - Coordenadora da Rede de Bibliotecas – CICT/FIOCRUZ
    Leonor P. Santos – Diretora - DECIT/MS
    Silvia Almeida de Valentin – Gerente GA – BIREME/OPAS/OMS

    Agenda

    A 13ª Reunião do Comitê Consultivo da BVS SP Brasil teve início com as palavras de boas-vindas de Adalberto Tardelli, Gerente de Administração de Fontes de Informação e na ocasião representando o Diretor Interino da BIREME, Albino José Belotto. Em seguida, Lilian Calò, Gerente de Produção de Fontes de Informação da BIREME/OPAS/OMS repassou a agenda de trabalho prevista para a sessão e objetivos da reunião destacando seus principais objetivos:

    - Analisar os resultados alcançados por cada uma das instituições do Comitê Consultivo em prol da BVS SP Brasil;
    - Apresentar o Portal de Mídias da BVS Brasil e a participação da BVS SP Brasil nesta iniciativa; e
    - Debater perspectivas para o próximo biênio e encaminhamentos futuros.

    Desenvolvimento dos trabalhos

    Após as apresentações e aprovação da agenda, Lilian Calò dá boas vindas aos presentes e inicia a reunião compartilhando o histórico da BVS SP Brasil no contexto da Rede BVS no Brasil e a sua importância como primeira iniciativa temática da BVS. Também apresenta resumidamente os avanços das reuniões anteriores do Comitê Consultivo.Lilian passa a palavra para Abel Packer, palestrante convidado que falou sobre Informação científica como bem público no contexto da BVS Saúde Pública, e destacou o modelo de trabalho cooperativo em rede como uma das principais características da BVS e sua fortaleza enquanto bem público de promoção de informação em acesso aberto.

    Na seqüência, Claudia Guzzo contextualiza a BVS nacional e internacionalmente, desde o lançamento do modelo BVS em 1998, e o início da BVS Brasil que se deu no ano de 2000. Informa que hoje a rede BVS conta com a participação de 29 países, totalizando 129 instâncias ativas. Destaca que no Brasil são atualmente 129 iniciativas entre temáticas, biográficas, institucionais e nacionais, e relata a conformação e realização das reuniões do Comitê Técnico da BVS Brasil, trazendo como um dos resultados o lançamento e a operação do Espaço Colaborativo (ECO) da BVS Brasil, que vem
    apresentando um ótimo desempenho como ambiente de integração e interação da rede BVS no país.

    Iniciaram-se então as apresentações das instituições do Comitê Consultivo, com a apresentação da BIREME feita por Bárbara Uehara que relatou os resultados da manutenção e atualização do portal da BVS Saúde Pública Brasil e de suas fontes de informação, atividades de capacitação presenciais e a distância, promoção em eventos, entre outras.

    Fátima Martins, representante do ICICT/FIOCRUZ apresentou os resultados de cursos e oficinas baseados no uso da BVS SP Brasil aos alunos e docentes da FSP/ENSP. Ela acrescentou que embora a instituição tenha sofrido imprevistos de infra-estrutura eles conseguiram alavancar os projetos de implantação da sala de acessibilidade digital e o projeto de pesquisa em usabilidade do portal da BVS SP Brasil. Fátima também apresentou uma série de sugestões para o portal com base na experiência com os cursos e oficinas que a FSP/ENSP ministra.

    Verônica Abdala sugere que seja conformado um Grupo de Trabalho específico para discussão de melhoramentos na busca do portal e nos filtros de busca da BVS por meio de reuniões técnicas. A proposta é apoiada por Cláudia Guzzo e por Angela Cuenca (FSP/USP), sendo que esta última reforça a idéia de reuniões temáticas e técnicas para discussão do tema e em seguida apresenta
    os resultados alcançados nos últimos 18 meses.

    Angela relata os resultados da fonte LIS e a base CidSaude e suas atualizações, e destaca que a instituição ministra cursos e capacitações sobre a BVS SP Brasil. Comentou a falta de materiais de divulgação da BVS como folders e banners que auxiliem na divulgação.. Reitera a importância das gravações de áudios das teses (que a FSP vem desenvolvendo como nova fonte de informação para a BVS SP Brasil), além de outros materiais. Reafirma o interesse em continuar a iniciativa mesmo diante das dificuldades e, se possível, expandir o projeto de gravação , para outras faculdades da USP ou
    instituições que se interessem pela fonte. Sugere aos representantes da ABRASCO que consultem sobre a possibilidade de haver maior divulgação da BVS no site da ABRASCO, por exemplo, com um link na home da ABRASCO para acesso à BVS SP Brasil. Também sugeriu a participação de um representante da BVS SP no Grupo de Trabalho temático de Informação em saúde e população da ABRASCO, assim como nas atividades desenvolvidas por esta associação, sugestões aprovadas por Moisés Goldbaum, que se incumbiu de levá-las à ABRASCO.

    Representando o MS Shirlei Gonçalves apresenta os resultados do Glossário e Siglário, da base de dados ColecionaSUS, e do investimento que está sendo feito na adoção do ABCD e em atividades de educação à distância, apoiando inclusive com monitores estes . Ela acrescenta que o MS tem interesse em apoiar projetos de tradução de registros para tornar acessível à informação bem como continuar apoiando o lançamento de Estações BVS em todo Brasil, ressaltando que este ano estão previstas ainda 18 inaugurações. Atualmente a Biblioteca do MS passa por um programa de melhoria da acessibilidade focado principalmente em deficiência visual, em que se pretende apoiar a gravação de voz de documentos para disponibilização aos deficientes. Informa que neste mês acontece o término do 12º Termo de Cooperação para o Desenvolvimento da BVS, mas que há perspectiva em breve de assinatura de outro termo (TC50) para continuar apoiando a adoção e expansão da BVS como modelo.

    Ainda representando o MS, Gilvânia Mello destaca a importância da promoção do uso de evidências na decisão em saúde pública e a aproximação com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (CONAS) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) para que estes possam apoiar esta área na BVS. Também acrescenta a importância de obter feedback dos usuários da BVS, e sugere que cada instituição do Comitê Consultivo desenvolva anualmente atividades para identificar a necessidade dos usuários, tendo sido apoiada pelos presentes.

    Maria Creusa (ISC/UFBA) acrescenta que a instituição continua apoiando a BVS principalmente na alimentação da base de dados LILACS e do serviço SCAD, a qual atua como centro cooperante. Segundo Maria Creusa, a divulgação da BVS SP Brasil faz parte das atividades acadêmicas do ISC, por meio de treinamentos ministrados aos alunos de graduação e pós-graduação no inicio de cada semestre. Ela também se dispõe a levar a sugestão de acréscimo do link da BVS SP Brasil na página da biblioteca da UFBA, para que esta também possa contribuir com a divulgação do portal.

    Após as apresentações das instituições do Comitê, os colaboradores da BIREME, Elenice de Castro, Júlio Takayama e Patrícia Santos, os três da Coordenação CEI/GA fazem uma apresentação sobre Ambientes Aprendizes e Informados (AAI) no modelo BVS abordando o uso do de ferramentas colaborativas e estratégias de comunicação, e apresentam o Portal de Mídias da BVS Brasil, iniciativa que surgiu no âmbito da BVS SP Brasil devido à sua demanda de um repositório de áudio e vídeos para promoção da saúde pública no país. Cláudia Guzzo complementou a apresentação explicando que a
    perspectiva é que este portal seja inicialmente utilizado pelas instituições do Comitê Consultivo da BVS SP Brasil. Uma vez que a metodologia e tecnologia sejam validadas, Claudia propõe que o Portal de Mídias seja expandido para que todas as iniciativas temáticas nacionais armazenem conteúdos em áudio, vídeo e podcasts.

    Na fase final da reunião dedicada a debates e encaminhamentos futuros Cláudia Guzzo repassou as recomendações registradas durante a reunião para aprovação de todos e registro em ata. Foi reforçada a importância e funcionamento da matriz de responsabilidades desta BVS, assim como o papel da Secretaria Executiva dentro do modelo e no contexto da BVS SP Brasil.

    A poucos minutos do final da reunião, Angela Cuenca apresenta a proposta de que a secretaria executiva seja realizada de forma rotativa, com cada uma das instituições representadas neste Comitê assumindo a secretaria executiva, a cada dois anos.possibilitando que todas adquiram experiência de liderança da BVS. Ângela apresenta a candidatura da FSP/USP como primeira instituição a
    assumir a Secretaria Executiva, além da BIREME. Os membros do comitê presentes não se manifestam contrariamente à proposição.

    A representante da Biblioteca da FSP/USP agradece e reconhece o esforço da BIREME em prol da BVS SP Brasil, destacando a importância da continuidade da participação ativa desta instituição na instância. Cláudia e Verônica reiteram que a BIREME seguirá acompanhando ativamente a BVS SP Brasil, desenvolvendo as atividades estabelecidas na matriz de responsabilidades e mantendo a BVS em seus servidores, além de seguir trabalhando nas inovações do modelo da BVS. Angela destaca o apoio do MS como essencial para o desenvolvimento desta BVS, e informa que trabalhará de forma
    articulada e compartida com esta instituição para o desenvolvimento da BVS SP Brasil, no que é apoiada por Shirlei Gonçalves, representante do MS. Os participantes registram sua satisfação na participação no evento e reiteram seus compromissos, e a reunião é dada por encerrada.

    Recomendações

    1- Criação de um Grupo de Trabalho para discutir melhorias para o portal da BVS SP liderado pelo ICICT/ FIOCRUZ com a participação de profissionais de diferentes áreas de BIREME, FSP/USP e CGDI/MS.

    2 - Inclusão de link da BVS SP Brasil no Site da ABRASCO, e articulação para que a mesma colabore com conteúdos (notícias e eventos) na BVS SP Brasil, a ser encaminhado pelo representante da ABRASCO.

    3 - Participação de um membro deste Comitê no Grupo de Trabalho sobre Informação em Saúde e População da ABRASCO.

    4 - Inserção do link da BVS SP Brasil no site do ISC/UFBA, a ser encaminhado pela representante do ISC/UFBA.

    5 - Contato com os órgãos Conass e Conasems, para que sejam inseridos links para o portal de evidências no site destes conselhos, a ser realizado pela Secretaria Executiva da BVS SP Brasil.

    6 - Realização de atividades para captação de feedbacks de usuários sobre o portal da BVS SP Brasil em cada uma das instituições-membro do Comitê.

    7 - Encaminhamento, por parte da BIREME, de instruções para acesso e inclusão de conteúdos no Portal Multimídia da BVS Brasil.

    8 - Sugere-se o rodízio bienal de instituições como Secretaria Executiva da BVS SP Brasil e a transferência da Secretaria Executiva para a FSP/USP será consolidada mediante a elaboração de um plano de trabalho em conjunto com a BIREME, atual instituição responsável pela Secretaria Executiva. O Ministério da Saúde, a considerar o apoio manifestado também acompanhará esse processo.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 12ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 23 de julho de 2009

    São Paulo, 23 de julho de 2009, das 10h00 às 16h30
    Local: BIREME/OPAS/OMS

    Introdução

    A Décima Segunda Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil  foi realizada no dia 09 23 de julho de 2009, na BIREME/OPAS/OMS, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes

    1. ABRASCO: Prof. Dra. Márcia Furquim de Almeida – Editora da Revista Brasileira de Epidemiologia
    2. BIREME/OPAS/OMS: Abel L. Packer – Diretor; Cláudia Guzzo – Analista da Informação, PFI/BVS
    3. FIOCRUZ: Ilma Horsth Noronha – Coordenadora da Rede de Bibliotecas/FIOCRUZ; Maria de Fátima Moreira Martins – Chefe - Biblioteca de Saúde Pública/ICICT/FIOCRUZ
    4. FSP/USP: Prof. Dra. Ângela Maria Belloni Cuenca – Diretora, Biblioteca e Centro de Informação e Referência
    5. Ministério da Saúde do Brasil: Erika Barbosa Camargo – Consultora Técnica, DECIT; Siomara Zgiet  - Bibliotecária BVS MS, CGDI; Shirlei Rodrigues Gonçalves – Coordenadora Geral Substituta, CGDI
    6. OPAS/OMS: Dr. João Baptista Risi Júnior – Profissional Nacional

    Agenda

    A reunião teve início com a abertura de Abel Packer, que deu boas-vindas aos presentes e apresentou a proposta de agenda e o objetivo de reavaliar os desafios e perspectivas da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil (BVS SP) no contexto da BVS Brasil.

    Desenvolvimento

    Abel Packer abriu a reunião fazendo um retrospecto da BVS SP e comentou o fato de o Comitê não haver se reunido no ano de 2008, salientando todavia que neste ano dois grandes eventos foram  marcantes na Rede BVS: A realização do CRICS 8 / BVS 5 e da IV Reunião de Coordenação da BVS Brasil e da XII Reunião da Rede Brasileira de Informação em Ciências da Saúde. Seguiu-se a apresentação de cada participantes e Cláudia Guzzo justificou a falta de Maria Creuza Ferreira da Silva – Bibliotecária e Representante do ISC/UFBA neste Comitê por motivos de saúde.

    Abel Packer apresentou o conceito de Redes na BVS e falou das iniciativas de conformação das instâncias de Gestão da BVS Brasil.
    A sessão de Informe das instituições do Comitê Consultivo da BVS SP Brasil foi iniciada por Cláudia Guzzo, que destacou a cooperação da BIREME para manutenção da BVS, e entre outros, apresentou a proposta de atualização do Portal da BVS Saúde Pública Brasil usando novos servidores e tecnologias.

    Na seqüência, a Prof. Dra. Ângela Cuenca apresentou os resultados obtidos pela FSP/USP, com destaque para a fonte de informação LIS. Discorreu também sobre o interesse em dar continuidade às iniciativas de áudio na BVS, no que foi apoiada pelos presentes. Relatou a existência de uma parceria da FSP/USP com a SES/SP para desenvolver a iniciativa de áudios nos municípios e a experiência de realização de uma aula de BVS via teleconferência, classificada como foi extremamente satisfatória e que capacitou 250 alunos no acesso a BVS. A Prof. Dra. Márcia Furquim perguntou sobre a existência de cursos a distancia na BVS. Claudia Guzzo informou que em virtude da reformulação do site os cursos a distância de acesso a BVS SP foram suspensos, mas a previsão é de ocorrência do mesmo ate o primeiro semestre de 2010.

    Representando a CGDI/MS, Siomara Zgiet apresentou as linhas de ação do Termo de Cooperação firmado entre o Ministério da Saúde e a OPAS para o desenvolvimento da BVS, com ênfase no subprojeto 1, onde são destinados recursos para a manutenção da BVS Saúde Publica. Informou que o Ministério da Saúde segue coordenando a rede BiblioSUS, atualmente com 1485 bibliotecas participantes. Apresentou os resultados do projeto Estação BVS, e informou que atualmente para os municípios e secretários que querem uma estação basta entrar na BVS, clicar no link estação BVS e preencher o formulário de avaliação, requisitos e solicitação da estação BVS. Apresentou os resultados do projeto de terminologia: O tesauro do MS e dos Glossários Temáticos, assim como os resultados do projeto de Legislação e o Portal da Rede Brasileira de História e Patrimônio Cultural da Saúde. Finalizou sua apresentação relatando alguns desafios que o MS vê diante da BVS Saúde Publica Brasil, entre eles a atualização da Matriz de Responsabilidades, a busca de novas formas de financiamento e sustentabilidade, a ampliação do trabalho em rede e o futuro da BVS-SP frente a BVS Brasil.

    Fátima Martins, representante do ICICT/Fiocruz apresentou os resultados do Portal de Teses e Dissertações, e informou que o número total de registros decaiu devido a um problema de reforma no prédio da biblioteca, o que teve que fazer com que algumas áreas de trabalho da biblioteca fossem desativadas. Relatou também a contribuição nos diretórios de eventos e no diretório de notícias, assim como a cooperação realizada em Angola, onde realizou cursos de BVS para profissionais deste país. Destaca que os resultados foram muito satisfatórios, com a capacitação de 28 alunos.

    Ilma Noronha completou o informe da Fiocruz discorrendo sobre o portal BVS Fiocruz e a área BVS criada dentro do ICICT, que tem como objetivo trabalhar o desenvolvimento da BVS na FIOCRUZ.  Fátima complementa sua fala informando que estão desenvolvendo um projeto de acessibilidade e que pretendem se adaptar até o final do ano.

    Representando a Organização Pan Americana da Saúde, Dr. João Baptista Risi relatou que atuação da OPAS nas BVS foi ampliada nos últimos anos, e vem se dado principalmente por meio das BVS RIPSA e Pan Amazônica. Relatou que a cooperação com a BVS SP continua um desafio em termos de indexação e entrega de conteúdos, mas que os trabalhos estão sendo reorganizados e está sendo dada maior ênfase ao uso da internet como meio de cooperação técnica. Relatou que foi conformado um grupo para de debate da política editorial na OPAS, o que deve vir a contribuir com conteúdos para BVS.

    Erika Barbosa Camargo, representante do DECIT/MS apresentou o Projeto Evipnet, que trabalhará inicialmente com saúde materno-infantil. Explicou que o objetivo do projeto é levar a evidencia científica em uma linguagem de fácil entendimento para gestores, e que o principal desafio é o Evipnet chegar a ponta e responder a resposta do gestor. Destacou que o Decit também desenvolve a Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias de Saúde, que colaborará com o Evipnet e outras iniciativas da BVS.

    Finalizados os informes das instituições, o Comitê decide aprovar proposta de atualização da BVS Saúde Pública Brasil, revitalizando-a e fortalecendo-a como área temática da BVS Brasil. Definem que o lançamento do novo portal deverá ser realizado no IX Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (ABRASCÃO 2009), a realizar-se de 31 de outubro a 04 de novembro de 2009. A Profa. Dra. Márcia Furquim, como representante da ABRASCO fica responsável por buscar um espaço junto a organização do evento para este lançamento.  Abel Packer destaca a importância da formação de um grupo para conformação de estrutura temática do novo portal da BVS SP, que terá a recuperação por meio de clusters. Propõe que a liderança deste grupo de trabalho seja da FSP/USP, e que o grupo defina 4, no máximo 6 grandes temas para este novo portal.

    A Prof. Dra. Ângela Cuenca relata que, quanto a terminologia, a saúde pública pode ser considerada em 3 grandes pilares: epidemiologia, serviços e ciências sociais. Informa que a FSP/USP aceita o desafio de liderar este grupo de trabalho e convida os representantes do ICICT, DECIT e ABRASCO para conformar este GT e reunir-se proximamente na FSP/USP. Perguntada sobre os prazos a serem compridos, Cláudia Guzzo informou que para que o lançamento da nova BVS seja realizado na data prevista, o ideal é que a estrutura temática esteja definida até a primeira quinzena de setembro, para que possa ser aplicada e testada no portal pelo Comitê antes do lançamento.

    O Comitê iniciou o debate sobre a atualização da matriz de responsabilidades. Todos apontaram a necessidade de ampliar a participação de algumas instituições junto a BVS. A nova proposta de matriz de responsabilidades apresentada pela BIREME foi preenchida, buscando assegurar mais representatividade de algumas instituições. Considerando-se a ausência de representante do ISC/UFBA e que esta foi a instituição mais recente a ser incorporada neste Comitê, Abel Packer e Cláudia Guzzo informaram que a BIREME/OPAS irá realizar uma reunião com o ISC/UFBA para discutir a participação e representatividade deste instituto junto a matriz de responsabilidades da BVS. Cláudia Guzzo solicita à FSP/USP e a ICICT/FIOCRUZ que enviem uma relação atualizada das instituições cooperantes nas fontes de informação LIS e DirEVE, respectivamente, para que as mesma sejam registradas junto a matriz de responsabilidades.

    Não havendo mais considerações a reunião foi finalizada após a revisão da lista de recomendações e da BIREME/OPAS/OMS ter assumido o compromisso de elaborar uma proposta de ata e de matriz de responsabilidades para envio ao Comitê para aprovação antes da publicação na BVS.

    Recomendações:

    1 – Que a BVS SP interopere com a rede do Campus Virtual em Saúde Pública no desenvolvimento e uso dos recursos educacionais.

    2 - Que seja apoiada e implementada a iniciativa da BIREME de registro dos usuários na BVS para oferecimento de serviços personalizados e que padrões acessibilidade sejam incorporados na BVS e nos seus aplicativos.

    3 – Que a FIOCRUZ promova a articulação e alinhamento das ações de informação científica e técnica junto aos países africanos de língua portuguesa com a Rede e-PORTUGUESe, visando a convergência de esforços, produtos e serviços

    4 – Que a BIREME promova o desenvolvimento e operação de portal multimídia na BVS, com vídeos e podcasts e implantação de uma rede de colaboradores.

    5 – Que seja fortalecida a inclusão de informação de apoio a tomada de decisão para gestores em saúde na BVS.

    6 – Que a FSP/USP lidere a formação de um grupo de trabalho para definição das áreas temáticas de Saúde Pública para o novo portal da BVS SP.

    7 – Que a ABRASCO reserve um espaço junto ao IX Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, para o lançamento do novo portal da BVS SP.

    8 – Que a BIREME/OPAS/OMS promova reunião com o ISC/UFBA para debater o fortalecimento da cooperação técnica desta instituição e sua melhor representação na matriz de responsabilidades da BVS SP.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 11ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 09 de novembro de 2007

    São Paulo, 09 de novembro de 2007, das 10h00 às 16h30
    Local: BIREME/OPAS/OMS

    Introdução

    A Décima Primeira Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil foi realizada no dia 09 de novembro de 2007 na BIREME/OPAS/OMS, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes

    1. BIREME/OPAS/OMS: Abel Packer,  Luciano Duarte, Cláudia Guzzo, Solange Santos e Rosemeire Rocha
    2. CGDI/MS: Márcia Rollemberg, Eliane Santos
    3. ICICT/FIOCRUZ/MS: Ilma Noronha, Jussara Long
    4. FSP/USP: Angela Maria Belloni Cuenca
    5. ISC/UFBA: Maria Creuza Ferreira da Silva
    6. OPAS Representação: José Moya

    Agenda

    A reunião teve início com a abertura de Abel Packer, que apresentou a proposta de agenda e os objetivos da reunião: compartilhar os resultados obtidos na execução do projeto de ampliação da BVS Saúde Pública para o Biênio 2006-2007 e debater assuntos específicos relativos à condução da BVS Saúde Pública Brasil.

    Desenvolvimento

    Durante a abertura da reunião foi destacado por Abel Packer o sucesso e a periodicidade dos encontros deste comitê Consultivo, seguido da apresentação de cada um dos presentes.

    A sessão de Informe das Atividades Desenvolvidas na BVS SP Brasil foi iniciada por Ângela Cuenca, que apresentou os resultados obtidos pela FSP/USP, iniciando pela cooperação técnica para o LIS, e solicitou capacitação para sua equipe após a integração do LIS SP com o LIS Regional, atividade que esta em fase de desenvolvimento em parceria com a BIREME. Informou que o ingresso de conteúdos no LIS já vem sendo realizado como uma atividade de rotina da equipe da Biblioteca da FSP/USP, apenas necessitando de certificação dos sites por especialistas em saúde pública. Sugeriu alguns aprimoramentos para esta fonte de informação.

    Apresentou, também, as atividades desenvolvidas pela FSP/USP com o Portal de Revistas da BVS SP, que teve revistos todos os seus títulos quanto à indexação, pertinência temática e continuidade dos títulos. Foi elaborado o documento com critérios de seleção das revistas para comporem o Portal, apresentado, nesta ocasião, para aprovação do Comitê Consultivo.

    Discorreu também sobre as iniciativas de áudio e o interesse de retomar as gravações de depoimentos dos autores das teses defendidas na FSP/USP, que estiveram suspensas no último ano. Informou que a FSP se dispõe a capacitar novos centros com a metodologia criada, para que outras instituições possam também realizar a gravação e disponibilização de áudios de teses ou outros documentos.

    Márcia Rollemberg destacou que a biblioteca do Ministério da Saúde foi uma das pioneiras em adaptar as metodologias da BVS para tratamento de vídeos e que esta base de dados é atualmente disponível na BVS Ministério da Saúde. E que foi realizada a aquisição de um novo servidor, streaming, que permitirá associar os vídeos em formato digital a estes registros. Jussara Long informou que o ICICT/FIOCRUZ pode apoiar a CGDI/MS na realização da atualização da metodologia LILACS (1.6) para esta base de dados.

    Abel Packer informou que a BIREME apóia a iniciativa de vinculação de áudios e vídeos na BVS, e fomentou a perspectiva de construção de um índice exclusivo de materiais multimídia.
    Ângela apresentou ainda a colaboração da FSP/USP nas demais fontes de informação da BVS-SP.. Informou que uma perspectiva futura é a criação de equipe para apoio a editoria de textos produzidos por docentes da FSP/USP, além de fortalecer a inserção de teses no portal da USP (que alimenta o portal de textos completos da BVS-SP). Neste contexto, apontou a importância da BVS ter repositórios institucionais para materiais que não sejam bibliográficos padrão, como relatórios técnicos, etc.

    Ilma Noronha apoiou a iniciativa de tratamento destes documentos, mas ressaltou a importância da manutenção da qualidade e dos critérios, para garantir a sustentabilidade dessa fonte de informação.
    Finalizando sua apresentação, Ângela informou sobre os programas de capacitação em BVS que vem sendo desenvolvidos pela FSP/USP e, abordando o tema de terminologia, solicitou que fossem revistos os descritores do DeCS sobre nutrição, assim como a categoria meio ambiente.

    Na seqüência Eliane Santos apresentou os resultados do MS na execução de alguns subprojetos, com destaque para a BVS do Ministério da Saúde e as atividades desenvolvidas em conjunto com a Rede BiblioSUS, como a base ColecionaSUS e a Comunidade Virtual.

    Apresentou também os resultados do Projeto Estação BVS, Patrimônio Cultural da Saúde, a construção da base de Experiências Exitosas e a seleção dos temais mais demandados do SUS, que serão base para seleção de evidencias.

    Abel destacou a importância da base de experiências exitosas no contexto da OPAS, no que foi apoiado pelos participantes.

    Márcia Rollemberg informou que como resultado do II Fórum de Informação em Saúde seriam levadas várias propostas para Conferencia Nacional em Saúde (http://conselho.saude.gov.br/web_13confere/index.html), e que este espaço caracteriza-se como um espaço ideal para consolidação de uma política nacional de informação em saúde.

    Devido ao avançado da hora a agenda sofreu alterações e Rosemeire Rocha apresentou os resultados obtidos pela BIREME das atividades de capacitação no acesso as fontes de informação da BVS, cursos presenciais e a distancia, e divulgação em stands e eventos. Os resultados obtidos nos cursos a distância foram destacados e elogiados pelos presentes, devido a grande abrangência geográfica obtida, os índices de conclusão do curso e a variedade de perfis dos participantes.

    Após intervalo Jussara Long iniciou a apresentação das iniciativas lideradas pelo ICIT/FIOCRUZ. Destacou números de registros, rede de cooperantes, e estatísticas do portal de teses em Saúde Pública, e salientou que um dos principais desafios tem sido obter cooperação técnica com o CNPq para inserção dos links para currículo Lattes junto dos registros bibliográficos da base Thesis. Informou também o avanço das iniciativas do ICIT/FIOCRUZ em realizar gravações de áudio com depoimentos de autores de teses.

    Relatou os resultados da cooperação técnica com o Diretório de Eventos da BVS SP e outras fontes de informação da BVS, e programas de capacitação desenvolvidos pela FIOCRUZ no âmbito da BVS. E finalizou sua apresentação demonstrando a iniciativa BVS FIOCRUZ, disponível emHTTP://bvsfiocruz.fiocruz.br

    Márcia Rollemberg parabenizou as iniciativas desenvolvidas pela FIOCRUZ, no que foi apoiada por Abel Packer que propôs a ampliação da metodologia usada no Portal de Teses da BVS SP Brasil para América Latina, e a tradução do portal para o espanhol.

    Ao discorrer sobre o ISC/UFBA, Maria Creuza relatou que apesar da carência de recursos humanos e tecnológicos na Biblioteca, o ISC apresenta grande interesse em evoluir na aplicação do Modelo da BVS. Abel propôs então o desenvolvimento de uma atividade de capacitação no ISC, no âmbito da saúde publica, para sensibilizar a instituição e apoiar o desenvolvimento da BVS, e orientou o ISC em organizar esta atividade em conjunto com Cláudia Guzzo. Além disso, a BIREME comprometeu-se em apoiar o processo de atualização do LILDBI-Web nesta instituição. Ilma Noronha propôs também o estabelecimento de uma parceria técnica com o Centro de Pesquisas Gonçalo Muniz, para intercambio de experiências.

    Antonia Ângulo informou que o DECIT segue no desafio adaptar a informação científico-técnica em um formato mais compatível com a linguagem leiga, buscando torná-la mais aplicável para gestores e usuários. José Moya complementou que esta também tem sido uma recomendação da própria OPAS com relação ao EVIPNET e destacou a importância da ampliação do trabalho com de estudos em evidências.

    José Moya informou também que a reunião lhe permitiu conhecer melhor a estrutura de uma BVS, e disse que a proposta de gestão de conhecimento que está sendo implantada na OPAS deve aproximar a Biblioteca/CEDOC da OPAS Representação neste processo para maior cooperação técnica com a BVS.

    Na seqüência, Luciano Duarte apresentou os resultados alcançados no âmbito da LILACS e seus centros cooperantes. Destacou que no ultimo dia 26 foi lançado o aplicativo LILACS Express, com o objetivo de aproximar que os editores para que enviem os dados das publicações diretamente pela LILACS, e apresentou os resultados do estudo realizado sobre a Contribuição Brasileira para LILACS durante os anos 2000 a 2006. Os resultados do estudo foram amplamente elogiados pelos presentes.

    Cláudia Guzzo passou então a apresentar os demais resultados obtidos pela BIREME em prol da BVS Saúde Pública, relembrando as oito linhas de ação (subprojetos) estabelecidas para o biênio 2006-2007. Informou que os resultados apresentados nesta reunião foram consolidados no Informe Técnico de Atividades Desenvolvidas, elaborado com a colaboração de profissionais do Comitê Consultivo e distribuído aos participantes por ocasião desta reunião. Foi acordado entre os presentes que este informe seria analisado pelos presentes e novas contribuições ou solicitações de revisão devem ser encaminhadas até o dia 10 de dezembro de 2007. Após esta data o Informe será disponibilizado na BVS Saúde Pública, na seção sobre a BVS.

    Dando seguimento a apresentação, discorreu-se sobre as atividades de manutenção às fontes de informação e de estrutura tecnológica desenvolvidas pela BIREME, novas implementações em tecnologia e conteúdo, estatísticas de acesso, atividades em comunicação e gestão do projeto, entre outras.

    Solange Santos participou da apresentação relatando os avanços obtidos na metodologia SciELO, a ampliação dos critérios de seleção de SciELO Saúde Pública e os recursos do Novo Portal SciELO.

    Cláudia Guzzo finalizou o informe de atividades desenvolvidas pela BIREME apresentando a versão beta novo portal BVS Brasil. Foi demonstrado o novo modelo de pesquisa que permite a aplicação de sucessivos filtros de pesquisa, no que foi complementada por Abel Packer em relação às expectativas futuras para BVS Brasil.

    Não havendo mais considerações foi finalizada a reunião.

    Recomendações

    . Recomenda à BIREME implementar uma fonte de informação referencial e um portal de recursos multimídia na BVS, reunindo coleções de conteúdos na forma de áudio e vídeo, com o objetivo de facilitar a gestão do registro bibliográfico e o acesso integrado, e com o apoio de um grupo de trabalho apresentar um protótipo e metodologia de operação na próxima Reunião de Coordenação Regional da BVS.

    . Recomenda ao ICICT/FIOCRUZ a ampliação da metodologia usada no Portal de Teses da BVS SP Brasil para América Latina, e a tradução do portal para o espanhol

    . Propor a inclusão da BVS dentro da abordagem e proposta política de informação da ABRASCO para o SUS, considerando que a BVS representa a mais importante instância nacional de gestão em rede de informação e conhecimento em saúde essencial para a democratização e inclusão digital e informacional.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 10ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 14 de agosto de 2006

    São Paulo, 14 de agosto de 2006, das 11h00 às 17h00
    Local: FSP/USP

    Introdução

    A Décima Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil foi realizada no dia 14 de agosto de 2006 na Faculdade de Saúde Pública da USP, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes

    1. BIREME/OPAS/OMS: Abel Packer,  Cláudia Guzzo
    2. CGDI/MS: Márcia Rollemberg, Eliane Santos,
    3. CICT/FIOCRUZ/MS: Ilma Noronha, Jussara Long
    4. FSP/USP: Angela Maria Belloni Cuenca, Eidi Raquel Franco Abdalla
    5. ISC/UFBA: Rosana Aquino Guimarães Pereira
    6. ABRASCO: Rita Barradas Barata

    Agenda

    A reunião teve início com a abertura de Abel Packer, que apresentou a proposta de agenda e os objetivos da reunião:
    . Apresentar os projetos de ampliação da BVS Saúde Pública para o Biênio 2006-2007, com ênfase nos projetos financiados pelo Ministério da Saúde, cuja formulação foi realizada em conjunto com a CGDI/MS
    . Discutir assuntos específicos relativos a condução da BVS Saúde Pública Brasil

    Desenvolvimento

    A reunião foi iniciada com a apresentação dos participantes e a formalização do ingresso do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA como novo integrante do Comitê Consultivo da BVS SP, seguindo recomendações de reuniões prévias.

    Em sua apresentação sobre o estado atual de desenvolvimento da BVS, Abel Packer retomou os objetivos da Rede BVS em promover o acesso equitativo à informação científica e técnica em saúde com base no trabalho em rede (BVS, SciELO e SciENTI). Um aspecto destacado na apresentação foi a questão do controle de qualidade nas fontes de informação e o papel do Comitê Consultivo.

    Na seqüência, Cláudia Guzzo relatou alguns dos resultados obtidos com o projeto anterior, indicando que o informe final de atividades desenvolvidas já está publicado na BVS, e apresentou o Projeto de Ampliação da BVS SP Brasil para o biênio 2006-2007, proposta que foi construída em conjunto pela BIREME e CGDI/MS, que aceitará colaboração das demais instituições parceiras.

    Com relação ao conjunto de projetos que é financiado pelo MS, Márcia Rollemberg relatou a importância de mostrar mais visibilidade a esta ação nas atividades desenvolvidas pela BVS, solicitando a avaliação do Comitê para esta necessidade.

    Angela Cuenca apresentou suas dúvidas sobre a base de dados Coleciona-SUS, o que deu origem a um debate sobre o escopo e abrangência desta base de dados. Márcia Rollemberg aclarou que a rede Bibliosus, que produz a base Coleciona-SUS, é parte integrante  da Rede Brasileira da BVS, incorporando instituições no âmbito do SUS e utilizando as mesmas metodologias e tecnologias da BVS. Foi proposto que a fonte Coleciona-SUS poderia caracterizar-se em um tipo de repositório eletrônico institucional, nova tendência, inclusive já com várias iniciativas em países desenvolvidos.

    Claudia Guzzo apresentou também o relatório de análise de situação da base de dados LILACS-SP, atendendo a uma das macroatividades do projeto em andamento, e a proposta discutida em reuniões anteriores de absorver esta base de dados na LILACS, por conta de terem os mesmos critérios de seleção, escopo e abrangerem literatura de interesse temático comuns. Os presentes expuseram suas considerações e dúvidas sobre essa decisão, entre elas, que seria desejável que os centros cooperantes da LILACS aprimorassem a indexação dos documentos quando pertinentes à área de saúde pública.

    Eliane Santos questionou se o tratamento dado a LILACS-SP seria estendido às bases de dados temáticas nas BVS, como a BDENF por exemplo. Cláudia Guzzo explicou que são situações distintas, e que bases específicas justificam-se quando os critérios são diferenciados e existe atualização constante com a liderança de uma das instituições do comitê, de modo que existe uma certa flexibilidade quanto a esta política.

    Diante do resultado da análise da BIREME, que constatou que os registros na LILACS-SP já estão todos na LILACS, o Comitê Consultivo aprovou a que os registros constantes na LILACS-SP sejam representados apenas na LILACS, retirando-se a LILACS-SP da BVS. Assim, fica extinta a base Lilacs-SP nos moldes como se encontra atualmente, porém a preocupação com a indexação de seus registros deverá ser mantida de forma que atenda plenamente as necessidades de informação da área da saúde pública.

    O Comitê recomendou a revisão e ampliação dos critérios da LILACS, para que seja reduzida a necessidade de bases de dados temáticas paralelas, e consequentemente, a duplicação de registros.  A ampliação dos critérios LILACS foi reforçado pela FSP/USP lembrando que algumas das revistas da AdSaude não foram aceitas na LILACS, e se faz necessária algumas definições quanto a estes aspectos.

    Ilma Noronha relatou que a FIOCRUZ também teve revistas que não foram aceitas pela LILACS. Abel Packer aconselhou-os a analisar o porquê não foram aceitas, pois algumas poucas mudanças eventualmente podem resolver esta questão e que as decisões dos comitês de seleção da LILACS e SciELO são totalmente independentes.

    Angela Cuenca destacou a contribuição e importância que critérios LILACS e SciELO adquiriram nos últimos anos, principalmente em função das exigências da CAPES.  Na seqüência Abel Packer relatou a estrutura de indexação de periódicos em saúde na América Latina e Caribe, a promoção do movimento de acesso aberto para aumentar a visibilidade e acessibilidade dos periódicos publicados nos países da AL&C e destacou a importância da criação do SciELO SUS com uma coleção selecionada de periódicos publicados no âmbito do SUS, preenchendo lacunas da produção bibliográfica  brasileira

    Discutiu-se ainda a possibilidade da criação de repositórios Open Access institucionais na BVS, onde as instituições poderiam depositar textos completos capazes de gerar metadados e com isso aprimorar a BVS. Em particular, Abel Packer sugeriu o estabelecimento de um repositório do SUS que deverá ser operado no espaço da BVS. Colocou-se ainda que este poderia ser um futuro projeto, com o objetivo de assegurar a estabilidade de documentos em texto completo, disponíveis em diferentes servidores.

    Salientou-se a importância do uso do DeCS para descrição destes documentos.

    O Comitê destacou a importância de reuniões mais regulares para aprovação de políticas que são fundamentais para o norteamento de projetos e para estimular o surgimento de novas idéias, ao que se colocou a possibilidade de, além das reuniões regulares do Comitê Nacional, houvesse a realização de seminários técnicos  voltados a evolução e gestão da BVS como um todo.

    Foi iniciada uma etapa final para pronunciamento das instituições acerca dos projetos apresentados e esclarecimento de dúvidas.

    Márcia Rollemberg afirma a importância de que todas as temáticas nacionais venham a convergir para a BVS Brasil, que contará com o fomento do Ministério da Saúde.

    Rosana Aquino Guimarães Pereira agradece o convite ao ISC para integrar o Comitê, colocando-o como colaborador no desenvolvimento da BVS. Afirma ter ficado impressionada com os projetos, relatando especial interesse na participação do subprojeto 8, quanto ao desenvolvimento de evidências em saúde pública. Finaliza afirmando estão dispostos a atuar institucionalmente pela ABRASCO e ISC, apoiando as iniciativas da BIREME e da BVS.

    Angela Cuenca pergunta sobre a continuidade do subprojeto ITD, e sendo informada que esta linha não foi priorizada para financiamento pelo MS para o Projeto da BVS SP Brasil. Explica-se a diferença do ITD para o portal de evidencias e a importância desta iniciativa no incentivo às instituições em traduzir o conhecimento acumulado para estimular o funcionamento do SUS, trabalhando-se com grandes tópicos de saúde pública com foco nos gestores de saúde. Fica a recomendação de se voltar a desenvolver conteúdos para esta fonte de informação.

    Foram debatidas também as expectativas da BVS Brasil, uma vez que a mesma contará com seu próprio Comitê Consultivo, considerando-se representantes de Comitês das BVS Nacionais.
    Informou-se que a diretriz de desenvolvimento de BVS Temáticas é a demanda e necessidade de uso da informação.  Eidi Abdalla reforçou a importância de se compartilhar entre as instituições do Comitê suas políticas de informação de forma concisa e explícita, como subsídio as decisões desse fórum.

    Ilma Noronha ressaltou a importância de se trabalhar a questão da BVS Brasil também como parte do projeto BVS em língua portuguesa, fortalecendo a rede com a ampliação de centros cooperantes. Em seu parecer, as instituições devem buscar fomento para seus projetos institucionais, afim de se tornarem sustentáveis e solidárias. E destacou a importância do fortalecimento da BIREME enquanto instituição Latino-Americana e capaz de desenvolver projetos a longo prazo, independente da situação governamental de cada país.

    Discorreu ainda sobre o projeto E-Port e a importância de se promover um projeto de informação para as realidades dos países africanos de língua portuguesa, para que se possa avançar em termos de Brasil, AL&C e países de língua portuguesa.

    Marcia Rollemberg informa que a CGDI defende a criação de uma política nacional pública na área da informação convergente à BVS, discutindo a parceria BIREME e todas as outras iniciativas. Solicitou ainda a colaboração das instituições em analisar e apresentar resultados sobre os projetos específicos, proposta que foi construída cooperativamente por BIREME e CGDI, buscando trabalhar de forma descentralizada, em rede e regionalizada.

    Abel Packer encerrou a reunião agradecendo a presença de todos e passa a palavra para
    Dra. Teresinha Andrade, que apresenta o programa e os objetivos do Fórum de Editores Científicos da Área de Saúde Pública evento paralelo ao congresso da ABRASCO, uma parceria da Revista de Saúde Pública com a BIREME, que acontece no dia 20 de agosto no Rio de Janeiro.

    Ilma Noronha relatou que este tema também converge para a oficina que ocorre no Rio Centro na segunda-feira. Márcia Rollemberg informa que na terça-feira haverá uma apresentação sobre Patrimônio Cultural e a inauguração da exposição Nise da Silveira no Centro Psiquiátrico Pedro Segundo.

    Não havendo mais contribuições, foi encerrada a reunião.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 9ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil

    - São Paulo, 12 de agosto de 2005

    São Paulo, 12 de agosto de 2005, das 10h00 às 17h00
    Local: BIREME

    Introdução

    A Nona Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil foi realizada em 12 de agosto de 2004 na sede da BIREME, em São Paulo, com a presença de representantes das instituições do Comitê Consultivo Nacional.

    Participantes

    1. BIREME/OPAS/OMS: Abel Packer, Veronica Abdala, Cláudia Guzzo
    2. CGDI/MS: Márcia Rollemberg, Eliane Santos, Marilia, Elisabeth Brant, Jean Pierre Kung
    3. DECIT/MS: Antonia Angulo
    4. OPAS/BR: João Risi, Fernanda Nahuz
    5. CICT/FIOCRUZ/MS: Ilma Noronha, Jussara Long
    6. FSP/USP: Ângela Cuenca
    7. OMS: Regina Ungherer

    Agenda

    A reunião teve início com a abertura de Abel Packer, que apresentou a proposta de agenda e os objetivos da reunião:

    • Avaliar o desenvolvimento dos projetos de fortalecimento da BVS Saúde Pública ' Participação da BVS Saúde Pública na Reunião Regional da BVS
    • Constituição da BVS Brasil

    Desenvolvimento

    Com a agenda aprovada pelos participantes, iniciou-se a apresentação de Verônica Abdala, que fez uma explanação do histórico da BVS-SP Brasil e apresentou o informe técnico de atividades desenvolvidas, cujas cópias foram entregues aos participantes da reunião. Detalhou ainda as estatísticas de acesso ao site e os esforços que estão sendo realizados para o lançamento do portal atualizado em com novas áreas temáticas por ocasião do ICML9/CRICS7.

    Na seqüência, Regina Ungherer realizou a apresentação do projeto e-Portuguese, uma iniciativa liderada pela OMS para unir os 8 países que adotam a língua portuguesa através da Biblioteca Virtual em Saúde.

    Ilma Noronha, reiterou o interesse da participação do CICT/FIOCRUZ nesta iniciativa, colocando os projetos já existentes em parceria com a BIREME a disposição do e-Port e dispostos a desenvolver novas linhas temáticas q sejam de interesse deste projeto.

    Márcia Rollemberg respondeu que esta já pode ser uma ação imediata de distribuição de publicações do Ministério da Saúde para estes países, alinhando esta cooperação Brasil-África.

    Abel relatou os esforços que serão realizados para o desenvolvimento deste projeto e destacou a possibilidade de desenvolvimento de uma matriz de cooperação técnica com o desenvolvimento da BVS nos países africanos que falam português. Finalizou este tema recomendando o estabelecimento de um grupo de trabalho que participe da reunião dos países de língua portuguesa na IV Reunião de Coordenação Regional da BVS.

    Iniciou-se o informe dos participantes do Comitê Consultivo.

    Angela Cuenca discorreu sobre os projetos nos quais a FSP/USP esteve diretamente envolvida: atualização do DeCS, revisão da estrutura temática da BVS-SP, colaborações na LILACS e LILACS SP, audioteca e portal de teses. Relatou problemas na indexação e uso inadequado de descritores na LILACS pelos centros cooperantes, demora no processamento dos registros enviados a BIREME e a importância da BIREME disponibilizar o campo especifico nos para indicação do orientador nos registros de teses e criar um novo para indicar o Programa de pós ao qual se vincula, pois são importantes para os relatórios CAPES.. Para a agilização da inserção dos registros na LILACS propôs uma forma descentralizada de trabalho.. Destacou a importância de revisão dos critérios da LILACS SP para que a mesma possa refletir com mais fidelidade a realidade da produção científica em saúde pública no Brasil e que a LILACS-SP precisa de definição quando à sua finalidade: se for apenas um subconjunto da LILACS (ou seja, com critéiros LILACS) não há necessidade de existir como tal; se deve ser a representação da saúde publica no Brasil, deve ter critérios próprios que permitam inserção de documentos que atendam a área. Acredita que os demais parceiros tenham problema semelhante quanto a essa definição. Colocou-se a disposição da BIREME para colaborar.
    Angela Cuenca apresentou ainda os resultados do projeto LIS Saúde pública e dos cursos de capacitação promovidos pela FSP/USP, e a participação na elaboração do Curso a distância, em conjunto com a BIREME e as demais instituições do Comitê Consultivo.

    Na seqüência Jussara Long informou os resultados dos projetos nos quais a FIOCRUZ esteve envolvida. Relatou a evolução do Portal de Teses, fundamentando-se nos critérios de seleção e explicando aos demais participantes que estes critérios são diferentes dos critérios das bases LILACS e LILACS-SP. Destacou o trabalho que a Biblioteca da ENSP vem realizando na revisão dos registros de teses existentes na LILACS e a inclusão dos textos completos dos mesmos nesta base, como parte das atividades do projeto Portal de Teses.

    Reafirmou as colocações da FSP/USP sobre a importância de agilizar o processamento dos registros na LILACS e revisão dos critérios da LILACS-SP, e a possibilidade de descentralização destas atividades, colocando a Biblioteca da ENSP a disposição para colaborar nestas atividades.

    Jussara Long também relatou a incorporação e operação do diretório de eventos da BVS Saúde Pública pela FIOCRUZ, que a partir de então passa a assumir a liderança deste projeto. Apresentou também os números das bases de dados locais da Biblioteca da ENSP e as contribuições relativas à elaboração das estratégias de pesquisa para as novas áreas temáticas da BVS SP Brasil e os resultados das atividades de capacitação promovidas pela FIOCRUZ. Propôs ainda a realização de reuniões técnicas com maior periodicidade.

    Na seqüência a Representação da OPAS/OMS Brasil, representada por Fernanda Nahuz, relatou as experiências na conformação da base bibliográfica do CEDOC como forma de colaboração da BVS SP Brasil, e relatando que no CRICS deverão estar com uma versão do site do CEDOC já publicada.

    Na seqüência, Márcia Rollemberg, representando o CGDI/MS passou a relatar o avanço de alguns projetos ao comitê, destacando a evolução do projeto de Controle Bibliográfico na esfera federal do SUS e a criação da rede BiblioSUS, além da formação da base de dados ColecionaSUS, já publicada na BVS, que reúne publicações que não atendem aos critérios da LILACS mas são de interesse público. Relatou também a realização do II Encontro da Rede BiblioSUS e os indicadores de desenvolvimento da rede e da base de dados, destacando a maior representatividade das unidades de informação vinculadas ao SUS e maior representatividade da produção literária nas bases de dados especializadas em saúde, decorrentes deste projeto.

    Márcia Rollemberg demonstrou a BVS Ministério da Saúde e relatou a atualização tecnológica da BVSMS e seus serviços. Eliane Santos complementou a apresentação informando que existem planos de se transformar, no próximo ano, a BVS MS para BVS SUS.

    Na área de legislação, destacou que estão sendo realizadas análises das metodologias e tecnologias da gestão da legislação em saúde, com destaque para SisLegis e TCLegis, em uso pela ANVISA e Secretária de Saúde do Estado de São Paulo. Demonstrou ainda o Alerta Legis, serviço oferecido pela BVS MS e sua proposta de que ele faça parte da área de legislação da BVS SP Brasil.

    Sobre o Projeto Patrimônio Cultural da Saúde, destacou algumas ações de resgate de acervos históricos nacionais sobre saúde que vem sendo realizadas pelo MS e que estas iniciativas foram reiteradas na 12ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em dezembro de 2003., que teve como diretriz realizar e divulgar o mapeamento do patrimônio informacional e cultural da saúde publica. Afirmou ainda que juntamente com o Chile estão avaliando a criação de uma BVS Patrimônio Cultural da Saúde. Feitas estas considerações, Márcia finalizou sua apresentação.

    Ilma Noronha convidou todo Comitê Consultivo para o dia 26 de agosto, realizar a inauguração de um busto de Sérgio Aroucca, com a presença do ministro da saúde, e para o lançamento da BVS Sérgio Aroucca, que está sendo desenvolvida pela Biblioteca da ENSP e pela assessoria de comunicação social.
    Relatou a ainda a importância de se discutir a evolução das bvs temáticas em reuniões periódicas da mesma forma como é conduzida a BVS SP Brasil.

    Dr. Risi relatou a importância de se adicionar fontes de informação numéricas e de indicadores na BVS e as iniciativas de se integrar a RIPSA à BVS. Afirmou que o DataSUS colocou no ar os dados da RIPSA, o que pode ser uma evolução neste sentido. Abel Packer destacou então a recomendação de fortalecer a integração da RIPSA na BVS e de que formas as comunidades poderão contribuir neste sentido.

    Abel Packer dissertou sobre as iniciativas de BVS institucionais, e que as mesmas também devem ser garantidas por comitês consultivos que se apropriem desta idéia, destacando a importância de que as instituições, e não as pessoas, devam representar a BVS.

    Antonia Angulo relatou que a partir do ano passado passaram a contribuir de forma mais ativa no projeto BVS Saúde Pública Brasil pelos projetos Estação BVS, que foram apoiados por estarem relacionados a uma política de ciência e tecnologia em saúde.

    Abel Packer falou sobre a importância da retomada do Projeto ITD - Informação para Tomada de Decisão, e da importância de que cada instituição se aproprie de um dos temas e do desenvolvimento das sistematizações para desenvolver problemas específicos da saúde no Brasil. Que esta área deverá ser colocada como destaque no momento da renovação do convênio, ainda como ação neste biênio.

    Márcia Rollemberg destacou a importância da sustentabilidade do ITD, que o ITD deve ser sustentável e sugeriu a entrega de cada um dos temas para desenvolvimento por instituições, no que foi informada por Abel Packer que esta era a expectativa inicial do projeto.

    Após intervalo, Cláudia Guzzo apresentou as evoluções obtidas nos projetos da BVS SP Brasil que são liderados pela BIREME e a nova página da BVS Saúde Pública Brasil que está sendo trabalhada para o lançamento antes do ICML. Agradeceu a participação e colaboração que as demais instituições do Comitê têm realizado em prol da execução dos projetos de fortalecimento da BVS Saúde Pública.

    Na seqüência, Patrícia Camargo apresentou os resultados obtidos com o plano estratégico de comunicação e marketing da BVS SP Brasil e solicitou a colaboração do comitê na validação da estratégia de comunicação e marketing, cujos resultados foram entregues em relatório impresso para os participantes. Após, Patrícia Camargo apresentou as estratégias de comunicação para esta BVS. Ao final da apresentação sobre o projeto de marketing, abriu-se o espaço para discussões, onde os participantes elogiaram o trabalho realizado em prol da divulgação desta BVS. Ângela Cuenca ressaltou e elogiou no trabalho realizado e a importância de perguntar ao usuário o que ele deseja.

    Márcia Rollemberg relatou a importância de que os discursos levados pelas instituições do Comitê em apresentações da BVS sejam coesos, e Abel Packer relatou também o desejo que já existiu de traçar estratégias de comunicação específicas para públicos diferenciados. Para isso, destacou a importância de usar uma matriz para mapear as necessidades de informação de diferentes tipos de públicos, e colocou isso como uma linha de ação proposta na oportunidade de renovação do convênio de manutenção da BVS Saúde Pública Brasil.

    Ilma Noronha relatou a importância dos usuários em se apoderar da BVS. Que profissionais de saúde atuantes precisam se apoderar destas informações para decisões. Relatou a importância da divulgação mais efetiva da BVS SP Brasil nos eventos da ABRASCO, afirmando que o profissional de saúde tem fundamental importância na formação de opinião.

    Antonia Ângulo destacou a importância de espaços especializados para diferentes públicos na BVS e do direcionamento e reagrupamento de conteúdos e Abel Packer retomou a importância de, após o CRICS, realizar uma reunião sobre o Projeto ITD e traçar um plano de ação para o mesmo.

    Abel Packer então abriu a discussão sobre a proposta de criação da BVS Brasil, abrangendo não apenas saúde publica, mas todas as áreas de ciências e saúde no Brasil.

    As duas formas de trabalho propostas para atingir este objetivo seriam: a transformação da BVS SP Brasil em BVS Brasil ou a conformação da BVS Brasil com um representante de cada BVS. Este comitê reunir-se-ia anualmente com um representante de cada comitê de BVS Certificada, iniciativa que seria uma ação conjunta da Reunião Brasileira da BVS, que ocorre em conjunto com o SNBU a cada dois anos.

    Segundo Abel Packer, a BVS Brasil deverá contemplar o fortalecimento da rede da BVS.

    A proposta de que se crie uma unidade perceptiva das iniciativas brasileiras na BVS, então denominadas BVS Brasil, foi aprovada conceitualmente. A evolução deste tema e projeto deverá ser motivo de proposta futura.

    Sobre a ocorrência ou não de um grupo de trabalho da BVS SP Brasil na BVS4, Abel Packer e Verônica Abdala apresentaram os grupos de trabalho que já estão confirmados para reunião. O Comitê optou por não criar um grupo de trabalho específico da saúde pública para que os mesmos possam participar dos demais grupos de trabalho, já confirmados.

    Não havendo mais considerações, agradeceu-se a presença de todos e foi finalizada a reunião.

    Conclusões

    A proposta de que se crie uma unidade perceptiva das iniciativas brasileiras na BVS, então denominada BVS Brasil, foi aprovada conceitualmente. A evolução deste tema e projeto deverá ser motivo de proposta futura.
    O Comitê optou por não criar um grupo de trabalho específico da saúde pública durante o BVS4 para que os mesmos possam participar dos demais grupos de trabalho, já confirmados.

    Principais Recomendações

    • e-Portuguese - recomendou-se o estabelecimento de um grupo de trabalho que participe da reunião dos países de língua portuguesa na Reunião BVS4.
    • Avaliar e redefinir os critérios de seleção para a base de dados LILACS-SP.
    • Criar grupo de trabalho para avaliar o fluxo de atualização da LILACS considerando a necessidade de agilização do processo e melhor aproveitamento das iniciativas de cooperação da FSP/USP e FIOCRUZ/ENSP.
    • Fortalecer a integração da RIPSA na BVS.
    • O ITD deverá ser colocado como destaque no momento da renovação do convênio da BVS SP Brasil.
    • O comitê deverá validar a estratégia de comunicação e marketing desenvolvida e apresentada na reunião.
    [ ← Show Excerpt ]
  • 8ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - São Paulo, 02 de agosto de 2004

    São Paulo, 02 de agosto de 2004
    Local: sede da BIREME, em São Paulo

    Participantes

    1. Ministério da Saúde: Leonor Pacheco e Márcia Rollemberg, Eliane P. Santos
    2. ENSP/FIOCRUZ: Jussara Long
    3. Faculdade de Saúde Pública/USP: Ângela Cuenca
    4. ABRASCO: Moisés Goldbaum
    5. CONASEMS: Luiz Odorico, Rose Marie Inojosa
    6. BIREME: Abel Laerte Packer, Marcelo D'Agostino, Adalberto Tardelli, Verônica Abdalla, Regina Castro, Silvia de Valentin, Elenice de Castro, Andréa Gonçalves, Rosane Taruhn, Renato Murasaki, Nádia Hommerding, Patrícia Camargo e Cláudia Guzzo

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com as boas-vindas aos participantes por Abel Packer Diretor da BIREME, seguida de apresentação dos participantes. Abel Packer relatou um pouco da trajetória da BVS, ressaltando a realização do ICML 9, que acontecerá pela primeira vez no Brasil e será um importante marco para a história da BVS, destacando a importância e posicionamento estratégico que o Brasil, através do Ministério da Saúde terá neste evento.

    Na seqüência, Nádia Hommerding apresentou o informe de acompanhamento de atividades da BVS-SP Brasil, considerada modelo pela OPAS para o desenvolvimento da BVS-SP Regional assim como de outras BVSs tanto temáticas quanto nacionais. Lembrou antecedentes, objetivos e instituições participantes do Comitê Consultivo e em seguida, apresentou os projetos específicos e resultados obtidos durante os últimos oito meses de desenvolvimento da BVS-SP Brasil. Foram mostrados e discutidos gráficos de acesso às diferentes áreas da BVS, bem como dados atualizados de conteúdos ingressados nas respectivas fontes de informação.

    Durante a apresentação dos resultados da BVS-SP, Leonor Pacheco destacou a importância da citação do Ministério da Educação como importante parceiro da BVS-SP e destacou que muitos dos cursos de capacitação promovidos pela BVS são realizados pelo Ministério da Saúde e apoiados pela UNESCO.

    Abel Packer destacou a importância da inclusão das revistas da SciELO no Google, que aumentou consideravelmente o numero de acessos e estatísticas. Finalmente, destacou-se as estatísticas de acesso ao Projeto Informação de apoio a Tomada de Decisão, pré lançado em Puebla México em Maio de 2003, reforçando o lançamento oficial que seria realizado em 03 e 04 de agosto de 2004.

    Comentou-se sobre o plágio efetuado pelo site PSF Brasil (www.psfbrasil.com.br) cujos conteúdos foram copiados do conjunto de Perguntas e Respostas do ITD bem como a publicação na íntegra sobre o tema PSF, elaborado pelo consultor Fernando Rolim Sampaio e equipe. O Dr. Luiz Odorico destacou a importância de averiguar sobre a possibilidade de acionar juridicamente a empresa que copiou e disponibilizou os conteúdos de acordo com a legislação existente no Brasil. Abel Packer observou que quanto maior a divulgação dos produtos melhor, desde que sejam citadas as fonte de onde os dados foram extraídos bem como os direitos autorais dos conteúdos.

    Nádia Hommerding seguiu a apresentação de resultados, focando sobre alguns projetos específicos, como o desenvolvimento e atualização da terminologia em Saúde Pública, a Estação BVS nas SES (Secretarias Estaduais de Saúde) e o Portal de Teses em Saúde Pública.

    Em seguida passou a destacar as inovações realizadas na BVS-SP nos últimos 8 meses, dentre as quais estão a criação do Fórum, adição da lista de discussão: Equity, Health & Human Development na área de Comunidades, atualização da página de terminologia, inclusão da Fonte de Informação Prêmio de incentivo em C&T para o SUS, criação de um formulário para envio de sugestões e contatos on-line, disponibilização de estatísticas de acesso on-line, informação de apoio a tomada de decisão e migração para o ambiente BVS-Site 3.1

    Nádia Hommerding encerrou sua apresentação agradecendo a parceria de todos na obtenção destes resultados e passou-se a palavra para o informe dos membros do Comitê Consultivo.

    Informes dos Membros do Comitê Consultivo

    Leonor Pacheco, representando o Ministério da Saúde, destacou a importância da Estação BVS, projeto no qual esta engajada para que ocorra e comentou o repasse de verbas para BIREME para realização do mesmo, em vista principalmente, da parceria com a UNESCO.

    Márcia Rollemberg, também representando o Ministério da Saúde, solicitou maior destaque para logomarca do MS no folder do ITD assim como manter esta prática como estratégia geral nos projetos relacionado a BVS-SP.
    Destacou em números as ações no MS junto a BVS-SP, contribuições a LILACS, ao LIS e ao DECS e relatou sobre o projeto de Controle Bibliográfico, que busca efetivar maior capacidade de gestão nas publicações do MS. Citou ainda os projetos Estação BVS, que busca ampliar a divulgação dos recursos da BVS e levá-los as secretarias estaduais. Informou sobre a contribuição financeira do MS na realização do ICML 9, além da prospecção de patrocinadores e participação no comitê de Honra e Comitê Nacional do mesmo.
    Informou sobre os importantes avanços da BVS MS e da necessidade de constituir um pólo de tecnologia no âmbito do MS e vinculadas.

    Dr. Luiz Odorico destacou o ponto de convergência entre a área acadêmica e a informação para gestão, quando Abel Packer destacou a importância da informação para gestão do conhecimento.

    Dra. Leonor Pacheco destacou que o governo Brasileiro dá grande apoio financeiro a BIREME, pleiteando maior visibilidade e reconhecimento. Abel Packer destacou que seria fácil a inclusão do logo, mas existe outro fator fundamental que é a inclusão do Brasil na esfera internacional, dando visibilidade a produção cientifica brasileira. Este é um dado concreto, uma presença concreta e uma atividade concreta da BIREME.

    Também foi destacado por Abel a importância de que todas as instancias do Governo se apropriem de BIREME e usem a BIREME em suas agendas.

    Dr. Moises Goldbaum destacou as mudanças ocorridas na BIREME em sua trajetória, que proporciona a seus parceiros visibilidade e possibilidade de contribuição. Destacou também a capacidade da BIREME em trabalhar com informação, convocando as instituições em trabalhar dentro e fora do país. Márcia Rollemberg concordou com o reconhecimento e importância deste fato.

    Dra. Ângela Cuenca, representando a FSP/USP, apresentou as contribuições desta instituição na BVS-SP que atua em quatro projetos: controle bibliográfico da produção acadêmica, projeto pioneiro que, na atual fase, busca fortalecer a captação dos documentos no Brasil. Informou que os registros da base AdSaúde foram inseridos na base LILACSSP, uma vez que a Rede Nacional AdSaúde foi substituída pela BVSSP cuja temática engloba administração em saúde. No momento está sendo discutida a adequação de critérios LILACSSP para inclusão dos documentos não previstos para LILACS. No projeto LIS-SP enfatiza a importância da manutenção dessa fonte de informação e de seu aprimoramento tecnológico; aponta os problemas de permanência de links e mudanças de endereços dos sites, que são resolvidos manualmente. Propõe como aprimoramentos para esta ferramenta melhorias no formulário de cadastro, possibilidade de refinamento da busca, envio de mensagens aos sites indexados, etc. Os textos completos de livros e monografias do LIS (cerca de 300) estão sendo tratados com os respectivos links na base LILACSSP.
    Dra. Ângela Cuenca destacou ainda o serviço de referencia virtual no LIS, com atendimento remoto ao usuário realizado em ate 48hs, com respostas personalizadas.

    Outro projeto - Editora Eletrônica - de monografias em saúde pública tem se desenvolvido com sucesso, e em função disso estuda-se a possibilidade de uso de consultores ad hoc para drenar a necessidade de avaliação de documentos que ultrapassam a capacidade do comitê editorial. Estão testando a obtenção de ISBN para confirmar estes documentos como publicação.

    Foi destacada por Dr. Luiz Odorico a importância da ampliação de textos completos, que segundo Dra. Ângela Cuenca, é também uma das áreas mais consultadas da BVS-SP.

    Um ponto alto de sua apresentação foi sobre a atualização do DeCS, na categoria Saúde Pública, que desde o início do ano vem sendo realizada sob a coordenação da Biblioteca da FSP, e teve a revisão e atualização das subcategorias SP1, SP2, SP3, SP5, SP6 e SP7, com a colaboração de diversos especialistas e alunos de pós-graduação em saúde pública. As demais subcategorias foram revisadas por outras instituições. Este trabalho resultou no desenvolvimento de uma metodologia de trabalho que foi replicada para cada um dos quase 2.000 termos revisados.
    Abel Packer destacou a importância de profissionais bibliotecários especialistas na área de saúde publica, elogiando o trabalho realizado e explicando o papel realizado pelo DECS na ampliação da categoria saúde publica do MESH, no que foi apoiado por Adalberto Tardelli.

    Eliane Santos destacou a dificuldade que existia em indexar as obras do SUS, com a antiga versão, e o trabalho realizado junto a BVS-SP para cobertura do DECS com relação ao SUS. Com isso, propôs-se que o vocabulário gerado para indexar o SUS seja representado possivelmente como remissivas, para que os conteúdos/conceitos gerados pelo Ministério sejam representados.
    Dra Ângela citou também a importância de revisão da estrutura temática da BVS-SP Brasil (que foi feita em 2000/2001) no que foi apoiada por Eliane Santos (MS).

    Dra. Ângela Cuenca destacou ainda a participação da FSP/USP nos projetos ITD, com a inserção da bibliografia gerada pelo tema (Mortalidade Infantil) e respectivos links no sistema. Também, no envio de noticias e seleção de destaques para a BVS-SP. Ressaltou a necessidade de colaboração nos demais projetos da BVS-SP, como no Portal de Teses, porém que devido a grande responsabilidade com os demais projetos, tem sido prejudicada.

    Na promoção da BVS-SP destacou que esta tem sido inserida nas disciplinas de graduação em nutrição e nas de pós-graduação da FSP, de sua responsabilidade. Também, por meio do Programa Educativo da Biblioteca da FSP são oferecidos cursos regulares (mensais) sobre a BVS-SP destinado a todo usuário interessado. Além disso, já faz parte, desde 2002, dos cursos oferecidos pela FSP por meio do Programa de Verão: Biblioteca Virtual em Saúde Pública, com duração de 15 horas e certificado pela FSP/USP

    Por fim, enfatizou o importante trabalho da BIREME e a possibilidade do aprendizado do trabalho em parceria, solução para o desenvolvimento de instrumentos tão poderosos como a BVS-SP para disseminação da informação.

    Jussara Long, representando a ENSP/FIOCRUZ, relatou as experiências com a coordenação e operação da coleção de teses, com a exibição do fluxo de tratamento de Teses em Textos Completos com a metodologia SciELO, projeto apoiado pela FAPERJ em 2004.

    Relatou a criação de um modelo de operação para uso em outras bibliotecas no contexto da BVS que foi replicado para UERJ, e Biblioteca do IMS. O IMS também esta utilizando a SciELO, ao que Abel Packer destacou que, finalizado este projeto é oportuna a inclusão da base de acervo e teses e IMS na Metabusca da BVS-SP, recurso aliás que foi elogiado por todos participantes.

    Outra atividade mencionada por Jussara Long foi realizada junto a UNATI - Universidade Aberta da Terceira Idade, que tem 1148 registros que estão sendo compatibilizados com a metodologia LILACS.

    Retoma a disponibilidade de coordenação e operação de diretórios de instituições e eventos de acordo com a matriz de responsabilidades desta BVS, para o qual aguarda produto customizado para operação.

    Destacou os números de treinamentos realizados, tanto em BVS-SP quanto com a Cochrane e relacionou como pontos fortes da participação na BVS-SP o apoio técnico da BIREME, o controle de qualidade na entrada de dados, a flexibilidade na utilização dos aplicativos e geração de subprodutos.

    Como desafios, elencou melhorias em atualização e segurança nos produtos, relata a invasão por hackers no servidos de teses da FIOCRUZ, motivo pelo qual Resolução de BUGS nos aplicativos, desenvolvimento de aplicativos para diretório de eventos e noticias, e sugere versão multiusuário (Web) para a SECS, no que foi apoiada por Eliane Santos e Dra. Ângela Cuenca.

    Dr. Moisés Goldbaumm, represando a ABRASCO, ressaltou que a BVS facilita bastante a difusão em saúde e reafirmou o interesse da ABRASCO em participar na execução e parceria deste trabalho. Divulgou projetos que estão sendo lançados junto a OPAS e Secretaria da Vigilância em Saúde/MS e o Fórum Mundial das Associações de Saúde Pública, que acontecerá em julho de 2006 no Rio de Janeiro, momento em que Abel Packer afirmou o interesse da BIREME em participar ativamente deste evento.

    Projetos especiais em andamento na BIREME

    Após as apresentações dos senhores membro do comitê consultivo, seguiu-se a apresentação de Projetos Especiais em andamento na BIREME, com a apresentação de Renato Murasaki sobre o convênio BIREME e ANVISA, em especial os projetos E-Bulas e VISALEGIS (no que Márcia Rollemberg destacou a necessidade de um sistema como VisaLegis para o controle da Legislação do MS).

    Dr. Luiz Odorico relatou a contratação de uma consultoria para analisar incoerências e inconstitucionalidades entre portarias, e os planos para realização de rodadas de negociação, talvez agrupando as legislações por temas, para facilitar o acesso dos gestores que necessitam delas.

    Na seqüência, Fernanda Cintra apresentou o Projeto Comunidade Virtual da BVS implementado primeiramente na Colômbia, assim como mencionou outras iniciativas em desenvolvimento, incluindo CONASEMS.

    Rose Inojosa Indagou a diferença entre as comunidades virtuais e sistemas de e-grupos, a que Fernanda Cintra explicou comparativamente. Propôs-se também a inclusão de um espaço de aprendizagem em rede dentro da Comunidade Virtual, demanda que foi definida como muito boa por Abel Packer.

    Luiz Odorico relatou que o ambiente do CONASEMS é instável, pois muitas das pessoas mudam a cada troca de governo, assim como as cidades são muito diferenciadas, em tamanho e tipo de público. Assim as comunidades vão sendo construídas com problemas típicos de cada município.

    Adalberto Tardelli informou sobre o Projeto Classificação de Resultados por Relevância e Similaridade, um método empírico, que busca trazer através de um modelo vetorial (ou seja, fingerprints), o peso de cada palavra dentro dos documentos, por similaridade de texto. Apresentou também a inclusão do link Documento Relacionados, em fase experimental, que foi incluído na LILACS em meados de julho.

    Em seguida Elenice Castro apresentou o ICML9, e convidou a todos para chamada de trabalhos, uma vez que se esta a um ano da realização do evento. Finalizou com o vídeo de divulgação do ICML.

    Finalizada a apresentação de projetos especiais da BVS, deu-se início, por meio de Abel Packer, a apresentação do Projeto para fortalecimento da BVS Saúde Pública Brasil para o Biênio 2004/2005. Primeiramente comentou-se o fortalecimento e manutenção dos 12 projetos em operação na BVS, sendo eles:

    1 - controle bibliográfico da LC em saúde publica - tem por objetivo o controle bibliográfico sistemático da literatura científica e técnica em saúde pública produzida no Brasil.

    2 - Publicação eletrônica de textos completos - busca operação de uma coleção organizada de textos completos, dentre as quais a publicação de coleções institucionais de textos completos, que assegure o aumento de publicações on-line disponíveis na BVS.

    3 - portal de teses em saúde pública - tem por objetivo desenvolver um site de acesso a teses de mestrado e doutorado sobre saúde pública apresentadas nas instituições de pós-graduação brasileiras aprovadas pela CAPES. Projeto liderado pelo CICT/FIOCRUZ.

    4 - controle bibliográfico no âmbito do MS e do SUS - busca fortalecer o controle bibliográfico da documentação produzida e publicada pelo MS, órgãos federais do SUS e progressivamente pelas secretarias estaduais e municipais.

    5 - DECS - desenvolvimento e atualização da terminologia em Saúde Pública - tem por objetivo a atualização do DeCS. O projeto atualmente liderado pela FSP/USP teve um salto em sua evolução e deverá passar por um ano de testes para analisar as novas categorias propostas.

    6 - ITD - Um dos projetos mais inovadores da BVS, cuja metodologia será apresentada e cujo uso deve ser replicado em outras esferas. Busca a operação de fontes de informação que forneçam conhecimento, experiências e práticas atualizadas e relevantes para processos de decisão e ação em gestão de saúde pública no SUS com ênfases nas Secretarias Municipais.

    7 - Estação BVS nas Secretarias Estaduais de Saúde - tem por objetivo fortalecer a capacidade de 10 secretarias estaduais de saúde no acesso a BVS por meio das 'Estações BVS'.

    8 - Programa de Capacitação na BVS - busca ampliação do processo já liderado pela BIREME com a participação ativa das instituições do Comitê Consultivo Nacional.

    9 - Divulgação e Marketing da BVS - em atividade constante, envolve a criação e produção de materiais de divulgação, além da participação com stands em eventos e programas de capacitação.

    10 - LIS - em plena operação e liderado pela FSP/USP, busca a operação de um catálogo de recursos de saúde pública na Internet.

    11 - Diretórios de Eventos, Pesquisadores e Grupos de Pesquisa - busca disponibilizar fontes de informação de eventos nacionais e internacionais atualizados periodicamente, e dados curriculares de pesquisadores e grupos de pesquisa.

    12 - Operação da Página principal da BVS Saúde Pública Brasil - tem por objetivo operar a página principal da BVS-SP Brasil e é liderada pela BIREME

    Após a discussão da manutenção dos referidos projetos passou-se a propostas de novos projetos, sendo eles também 12, o que soma um conjunto de 24 projetos ao todo para desenvolvimento nos 18 meses que seguem, destacando-se a importância de se finalizar a concepção dos mesmos antes do final de agosto para viabilizar os aspectos administrativos de fechamento de convenio entre o MS e BIREME.

    1 - CONASEMS Comunidade Virtual - Tem por objetivo implantar e operar uma Comunidade Virtual do CONASEMS para aperfeiçoar os processos de comunicação e socialização de informação e conhecimento no âmbito do CONASEMS e progressivamente, nas Secretarias Municipais de Saúde. A implantação será liderada pela BIREME em conjunto com a Secretaria Executiva do CONASEMS que assumirá progressivamente a operação da Comunidade Virtual.

    2 - CONASEMS - ITD para as Câmaras Técnicas - Tem por objetivo desenvolver coleções de fontes de informação orientadas a subsidiar cada uma das Câmaras Técnicas do CONASEMS. A implantação será liderada pela BIREME e ENSP em conjunto com a Secretaria Executiva do CONASEMS.

    3 - Servidor Web de Classificação de conteúdos por assunto - tem por objetivo operar na BVS um serviço público de classificação automática de conteúdos por assuntos e conceitos expressados no DeCS e outras classificações. Será liderado pela BIREME.

    4 - Fortalecimento e ampliação da Audioteca - tem por objetivo desenvolver e operar uma coleção de áudios para a disseminação ampla de informação, conhecimento, experiências e práticas por meio de rádios comunitárias e comerciais. Liderado pela FSP/USP, terá um piloto com entrevistas de 5 perguntas junto a autores de teses, para disponibilização junto às referências bibliográfica das mesmas. Márcia Rollemberg relatou uma iniciativa do MS em que eles enviavam spots de áudio para as rádios comunitárias e também a importância da formatação da linguagem para leigos. Jussara Long ressaltou a importância do aproveitamento do Canal Saúde.
    Abel Packer destacou que a importância de se formar uma metodologia que possa ser replicada e Dr. Luiz Odorico ressaltou a importância da integração desta fonte com o ITD. Citou ainda, além do Canal Saúde, a iniciativa do IEC, e disse que uma iniciativa que poderia ser seguida é disponibilizar os áudios do IEC que já estão prontos e que produz muitos materiais sobre o assunto, ou seja, disponibilizar a produção do IEC e do Canal Saúde como atividades que dariam inicio ao piloto do projeto.

    5 - Site RIPSA na BVS-SP - Desenvolver com o objetivo de dar visibilidade e
    divulgar a metodologia de definição de indicadores, colocando as fichas na BVS com links para a produção cientifica, e vice-versa, criando uma nova fonte de informação. A ser liderado por DATASUS e BIREME.

    6 - Controle bibliográfico da legislação brasileira em saúde - tem por objetivo promover o controle bibliográfico da legislação nacional em saúde e sua indexação na base de dados LEIS da OPAS. Será liderado pela BIREME em colaboração estreita com o MS.

    7 - Apoio a sub-agenda de comunicação e informação da Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde - tem por objetivo desenvolver um espaço na BVS para operar fontes e fluxos de informação de apoio à implantação da sub-agenda de Comunicação e Informação em Saúde da Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde. Será liderado pela BIREME em cooperação estreita com o DECIT.

    8 - Disque Saúde na BVS - tem por objetivo desenvolver e operar uma coleção de fontes de informação científica e técnica na forma de perguntas e respostas derivadas das questões dirigidas ao Disque Saúde. O Disque contempla os diversos públicos tendo para isso relatos diferentes para os diferentes níveis de usuários. Luiz Odorico relatou a possibilidade de evolução desta metodologia para um sistema de diagnóstico on-line, porém os demais participantes concordaram que este seria um passo futuro. O título do projeto foi alterado durante a reunião para: Pergunte sobre Saúde! Ou seja, como sintetizou Abel, ITD para população. Será liderada pela BIREME no período de desenvolvimento e posteriormente pelo MS para a operação regular. Foi colocado por Márcia Rollemberg que já houve uma primeira reunião com o Disque Saúde, a equipe do portal MS e a CGDI sobre essa integração.

    9 - Editora eletrônica de livros em saúde publica - tem por objetivo desenvolver na BVS um espaço para a operação de coleções de livros eletrônicos relacionados com Saúde Pública por parte de Editoras. Será liderado pela BIREME e CGDI.

    10 - SUS como patrimônio, cultural, social, histórico e econômico. - tem por objetivo desenvolver na BVS-SP conteúdos sobre a história do SUS e seu funcionamento, que fazem parte da história da saúde da população do Brasil, e por isso devem ser preservados para gerações futuras. Márcia Rollemberg destacou que esta é uma iniciativa que busca o resgate da história da Saúde Pública no Brasil, e por isso é interessante buscar parcerias com outras instituições que também estão buscando preservar esta historia, Informou sobre a parceria do MS com a UFBA e ANM -Academia Nacional de Medicina e os hospitais federais municipalizados do RJ, iniciativas que se integram as ações do Centro Cultural da Saúde/CGDI e da Casa de Oswaldo Cruz e já estabelecem um patamar para que essa ação ganhe maior visibilidade..Leonor Pacheco ressaltou também a importância da inclusão dos Arquivos Brazilienses de Medicina neste projeto, pois na BN esta é uma coleção disponível somente em microfichas. Abel propôs um programa especifico de digitalização deste acervo para disponibilização. Será liderado pelo CGDI com apoio da BIREME na sua implantação.

    11 - Servidor de estatísticas de desempenho da BVS - tem por objetivo operar um serviço na BVS que registre, calcule e publique on-line de forma atualizada relatórios e estatísticas de uso de fontes de informação, buscando a mensuração de resultados. Será liderado pela BIREME.

    12 - Desenvolvimento da BVS-SP no âmbito institucional do MS. - tem por objetivo contribuir ao desenvolvimento do modelo da BVS no âmbito institucional do MS de modo a estruturar as fontes de informação que são geradas ou demandadas pelas diferentes secretarias e instâncias do MS e do SUS em âmbito federal. Liderado pelo CGDI com a cooperação técnica da BIREME.

    Considerações finais

    Finalizada a apresentação dos 24 projetos propostos, Abel Packer destacou ainda um novo que seria a reformulação da estrutura temática da BVS-SP, por sua vez incluído como integrante da análise do DECS, assim sendo, a cargo da FSP/USP.

    Ao final, abriu-se a sessão para discussão, sendo passada a palavra para os comentários finais para os senhores membros do Comitê Consultivo presentes.
    Jussara Long destacou que a ENSP está com o foco no Portal de Teses, para o qual estão comprando um servidor e visando realizar o lançamento oficial do projeto no próximo CRICS.

    Dr. Luiz Odorico finalizou ressaltando a importância do trabalho da BIREME, agradecendo a possibilidade de parceria com o CONASEMS e apresentando a idéia de criar um grande banco de dados com as experiências municipais. Nesse sentido viabilizar uma comunidade virtual nas esferas do CONASEMS é um passo fundamental e segundo Abel Packer, uma experiência pioneira.

    Márcia Rollemberg citou que acredita no trabalho da BVS e na sua expansão, mas destaca que as linhas de projeto da BVS-SP terão por prioridade o contexto do SUS, sendo necessário focar os projetos que instrumentalizam essa expansão, ou seja, que estabeleçam uma plataforma básica no nível federal. Coloca também que é necessário avaliar o que já se estabeleceu como atividade a exemplo do LIS, e também as iniciativas já custeadas numa fase inicial como controle bibliográfico e estação BVS. Qualquer nova demanda como por exemplo RIPSA e Comunidade Virtual CONASEMS deverá ser acompanhada da fonte de financiamento pois não foram previstos recursos para essas ações. Destacou ainda a necessidade de uma maior ação de marketing para visibilidade da BVS, lembrando por exemplo a idéia da coluna BVS na revista do CONASEMS. Afirmou ser necessário o agendamento de reunião específica do MS com a BIREME para essa avaliação.

    Dra. Ângela Cuenca afirmou que a BVS tem sido muito elogiada, e o que enriquece tudo isso é o compartilhamento de informação e o trabalho em parceria.

    Abel Packer finalizou a reunião, reforçando que o papel da BIREME é atender às demandas no que tange à informação e conhecimento através das parcerias com as instituições e por fim, convidou a todos para participar do evento Seminário ITD, realizado nos 2 dias seguintes à reunião do Comitê Consultivo da BVS-SP Brasil.

    Nada mais tendo a discutir, agradeceu-se a presença de todos e deu-se por encerrada a reunião da qual lavrou-se essa ata.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 7ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - São Paulo, 01 de setembro de 2003

    São Paulo, 1°de setembro de 2003
    Local: sede da BIREME, em São Paulo

    Participantes

    - OPAS-BR: João Baptista Risi Júnior
    - Ministério da Saúde : Sr. Reinaldo Guimarães, Leonor Pacheco, Eliane P. Santos
    - FIOCRUZ/RJ: Ilma Noronha, Jussara Long
    - Faculdade de Saúde Pública/USP: Ângela Cuenca
    - BIREME: Abel Laerte Packer, Jorge Walters, Adalberto Tardelli e Nádia Hommerding

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com as boas vindas aos participantes pelo diretor da BIREME,
    Abel Packer, que agradeceu a presença de todos e lamentou a ausência do Dr. Moisés Goldbaun que esteve impossibilitado de comparecer devido à sua posse na ABRASCO.

    Em seguida, o diretor da BIREME, iniciou uma apresentação com dados atualizados do Relatório das Atividades BVS SP Brasil, atualizado em 01/09/2003.

    Abel Packer propôs a formação de um grupo de trabalho para a elaboração de uma proposta para a reformulação do CCN da BVS SP Brasil com vistas ao seu fortalecimento político e operacional, considerando como ponto de partida 3 encaminhamentos:
    - manter o caráter atual - político e técnico - ampliando a representatividade das instituições
    - constituir o CCN como instância política da BVS Saúde Pública Brasil e assessorada com comitês técnicos
    - constituir o CCN como instância políticas da BVS Brasil e assessorada por comitês técnicos

    Os participantes da reunião comentaram sobre a necessidade da criação de câmaras temáticas e/ ou comitês técnicos e Abel Packer ressaltou a importância da criação de um fórum constante. Para tal foi sugerida a criação de um fórum virtual, espaço onde poderiam ser discutidas e compartilhadas práticas e experiências, entre os envolvidos, quer sejam no planejamento ou na operação da BVS SP Brasil.

    Ainda, em relação à aspectos de comunicação e capacitação foi discutida a necessidade de uma estratégia de criação de replicadores para operação das fontes de informação da BVS, bem como para instrução e disseminação do uso dessas fontes, nas diferentes instâncias, seja na graduação, pós graduação e junto à gestores de saúde pública.

    Abel Packer comentou que entre as novas propostas de projeto, o estabelecimento de padronização de estatísticas de acesso ao site é de relevância fundamental. Os números de usuários entrando no portal apontam para 1000 usuários por dia. Existe um projeto novo para otimizar estas estatísticas, identificando quanto tempo o usuário fica logado no site. Abel Packer informou sobre um novo projeto que é aumentar o controle bibliográfico na região sul.

    Foi comentado pelo diretor da BIREME que a BVS SP Brasil foi tomada como modelo, a partir do projeto Informação para Tomada de Decisão, cuja metodologia, de uma forma genérica, será aplicada no Campus Virtual OPS, contando com a parceria de mais 15 instituições de saúde pública na região, o que é um reconhecimento do esforço feito até o momento.

    Em relação aos cursos de capacitação foi comentado que a receptividade foi muito boa e a avaliação bastante positiva. Outra idéia seria começar a fazer cursos específicos para replicadores, otimizando recursos e custos.

    O diretor da BIREME apresentou a proposta de 7 novos projetos, sendo eles:

    1. Estatísticas de desempenho em linha: calcular e publicar em linha estatísticas descritivas atualizadas do conteúdo, acesso, uso e impacto das fontes de informação da BVS de modo atualizado.
    2. Classificação dos resultados por relevância: facilitar a recuperação de informação na rede de fontes de informação da BVS SP Brasil através da hierarquização de resultados das pesquisas por áreas temáticas.
    3. Indexação automática para recuperação: facilitar acesso às fontes de informação da BVS por meio da indexação automática segundo a metodologia de vetores de conceitos baseados no DECS.
    4. Portal de teses: promover, coordenar e operar o desenvolvimento de um portal de teses de Saúde Pública.
    5. Audioteca: promover. coordenar e operar o desenvolvimento de uma coleção de spots de áudio sobre teses e resultados de pesquisas.
    6. Consórcio para acesso às revistas científicas: promover a cooperação entre instituições para o acesso eqüitativo às revistas científicas nacionais e internacionais relacionadas com saúde pública.
    7. Editora eletrônica em saúde pública: promover o desenvolvimento cooperativo de um espaço na BVS de operação em linha das coleções de monografias em formato eletrônico por parte das editoras de saúde pública.

    As representantes da (FIOCRUZ), Dra. Ilma Noronha e Dra. Jussara Long, expuseram seus projetos e ações destacando a contribuição feita para as bases de dados, diretórios, eventos, teses, consultorias prestadas, treinamento, palestras e capacitações. A promoção de dois cursos presenciais cujos certificados foram emitidos pela BIREME e o Hot Site Fome Zero que contem links e textos completos que apontam para o SciELO e o LIS . Também foi destacado o projeto do Portal de Teses, cuja liderança ficaria à cargo da FIOCRUZ e para tanto serão transferidas a base de dados de teses, metodologia e tecnologia para a FIOCRUZ.

    Foi comentada a necessidade de novo plano de marketing para promoção da BVS, incluindo folders, cartazes, divulgação em eventos, etc.

    A Profa. Ângela Beloni da (FSP) fez uma breve apresentação, onde foram destacados os números e contribuições da instituição na BVS, referente às diferentes fontes de informação que a compõe tais como: controle bibliográfico, registros e publicação de sites em saúde pública, serviço de atendimento ao usuário, textos completos, informação para tomada de decisão e terminologia . Foram apresentadas também propostas de melhorias e otimização da fontes de informação, resumidas a seguir:

    • Controle Bibliográfico LILACS SP
      - Discutir a LILACS-SP e a possibilidade de dar cobertura ao documentos da área de saúde pública em razão dos critérios LILACS.
      - Dinamizar a busca da produção das instituições.
    • Serviço de Atendimento a Consultas Remotas
      - aprimoramento da planilha de cadastro.
      - possibilidade de refinamento de busca.
      - envio de mensagens aos responsáveis pelos sites indexados.
      - verificação dos sites inativos por máquina.
      - inserção das monografias on-line indexadas na base de sites na busca via Textos Completos.
    • Publicação Eletrônica de Textos Completos FSP
      - Captação mais ativa de documentos, incluindo outras instituições.
      - Definir metodologia - PDF ou Scielo.
      - Aprimorar links nos documentos (capacitação equipe).
    • Atualização da Terminologia Saúde Pública - DECS
      - Revisão dos termos da Categoria Saúde Pública do DeCS, notas de escopo, subordinação etc.
      -Piloto com Categoria SP1 - Administração de Serviços de Saúde para estabelecimento de metodologia. Em fase de execução a Categoria SP2 - Epidemiologia.
    • Revisão dos termos vinculados à Estrutura Temática da BVS - SP.
    • Estabelecimento de estratégias de busca para aplicação nas buscas via Estrutura Temática, relacionando-as ao DeCS.

    Foi destacado ainda pela Prof. Ângela a necessidade de desenvolvimento de estratégias para identificação e capacitação dos usuários para melhor aproveitamento de todos os recursos informacionais proporcionados pela BVS.

    Eliane dos Santos (MS) discorreu em sua apresentação sobre projetos de cooperação técnica, tais como: AIDS, SVS, ASCOM, SP BRASIL, FUNASA, CYS, ADOLEC e DIP. Comentou que o orçamento para ampliação de rede de BVS estaduais nas instâncias do Ministério da Saúde fora aprovado através do Plano Plurianual 2004-2007, e que já estão se preparando para trabalhar com a editora eletrônica com a metodologia SciELO. Além disso, comentou as ações do MS nos processos referente à Gestão do Conhecimento.

    Abel Packer informou sobre o projeto da Praça do Conhecimento, que é um lugar/espaço para trazer o cidadão até a BVS.

    Abel comenta sobre uma idéia na área de indicadores que seria um projeto para subsidiar toda a descrição que existe hoje dos indicadores com a bibliografia e apontamentos. Fala ainda de um outro projeto ainda mais audacioso que seria a partir da literatura cientifica onde exista o nome de um município e a presença de indicadores, criar links para que sejam integrados indicadores e literatura científico-técnica. Com um recurso mínimo, poder-se-ia contratar um investigador para elaborar tal metodologia.

    Dr. Risi comenta que tem esses indicadores na Rede Interagencial de Informação em Saúde (RIPSA) e que em breve deve haver uma reunião da RIPSA e um dos projetos a ser discutido é a organização de uma base de apoio da RIPSA o que poderia servir de paradigma para essa idéia do Abel.

    Abel Packer disse que seria preciso fazer uma organização disto pensando em uma re-estruturação. Neste caso seriam dois novos projetos que seriam agregados à lista, na condição de Novos Projetos, subindo então o número total de novos projetos para 9:

    8- RIPSA: documentação científico técnica de indicadores: Documentar on-line e de modo dinâmico com literatura científico técnica os indicadores da RIPSA
    9- RIPSA - Links dinâmicos entre literatura científico-técnico e indicadores numéricos: Desenvolver metodologia para o estabelecimento de 'links' dinâmicos entre literatura científico-técnico e indicadores numéricos e implantar nos indicadores RIPSA

    No encerramento dessa reunião o diretor da BIREME informou que a coordenação da BVS SP na BIREME fica sob a responsabilidade de Nádia Hommerding da Coordenação Desenvolvimento do Modelo da BVS (DMB). Em relação à parte operacional, a medida que se avança , o ambiente de discussão poderia ser a lista de discussão técnica da BVS SP, a ser criada, com isso promove-se uma discussão mais latente sobre os problemas existentes, quem pode ajudar quem, ou seja, um ambiente de troca de informação e conhecimento para compartilhamento das melhores e piores práticas. Sugere-se uma outra reunião do Comitê Consultivo para ainda este ano para discutir e estabelecer o plano de ação, inclusive para revisão de critérios da metodologia LILACS que deverá incluir todos os suportes, tais como: vídeo, som. Imagem, e avaliação das propostas discutidas durante a reunião. Essa reunião ficou pré-agendada para final de outubro ou início de novembro.

    Abel Packer, reforça que o modelo da BVS deve adquirir dinâmica própria, aprimorando as questões metodológicas, mas ao mesmo tempo promovendo a criação de uma rede de replicadores tanto para a metodologias quanto tecnologias referentes ao Modelo da BVS e operação descentralizada das Fontes de Informação.

    Nada mais tendo a discutir, agradeceu-se a presença de todos e deu-se por encerrada a reunião da qual lavrou-se essa ata.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 6ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - São Paulo, 28 de junho de 2002

    São Paulo, 28 de junho de 2002
    Local: sede da BIREME, em São Paulo

    Participantes

    · OPAS-BR: João Baptista Risi Júnior e Fernanda Nahuz
    · Ministério da Saúde: Beatriz Tess, Márcia Rollemberg e Eliane Santos
    · FIOCRUZ/RJ: Jussara Long
    · ABRASCO: Moisés Goldbaum
    · Faculdade de Saúde Pública/USP: Maria Teresinha Andrade e Angela Cuenca
    · BIREME: Abel Laerte Packer, Elenice de Castro, Renata Ciol e Dayse Aguiar

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com as boas-vindas aos participantes por Abel Packer (BIREME), que agradeceu a presença de todos e passou às considerações iniciais, onde enfatizou a importância do apoio político das instituições participantes do Comitê Consultivo, bem como reafirmou o compromisso da área de informação dessas instituições na condução da BVS-SP. Acrescentou que até o final de 2002 a BIREME espera ter os indicadores que mostrem também a satisfação dos usuários.

    Beatriz Tess (MS) informou que após o lançamento da BVS-SP, no mês de março, foi notado um aumento na procura da biblioteca virtual pelo público interno do Ministério da Saúde e também nos eventos em que o MS tem participado. Enfatizou a necessidade de um melhor plano de marketing incluindo manutenção de estoque do material de divulgação.

    Moisés Goldbaum (ABRASCO) reafirmou o apoio político da ABRASCO para o projeto da BVS-SP. Colocando-se no papel de usuário, apontou o sucesso da BVS-SP para a comunidade científica, ressaltando a adoção da LILACS e da SciELO como modelos consolidados para medir o impacto da comunicação científica, o que traduz o processo de amadurecimento e avanço da BVS-SP.

    Em seguida, Abel Packer apresentou a pauta da reunião, iniciando com a discussão para inclusão de novos membros no Comitê Consultivo Nacional, a saber: Datasus e Instituto de Saúde Coletiva da Bahia.

    Em relação a esse assunto, ficou acordado que o processo já consolidado da BVS-SP requer uma reflexão mais profunda sobre que atores devem fazer parte do Comitê Consultivo. Trata-se de um momento de revisão e ajustes de médio e longo prazos para definir a sustentabilidade do projeto.

    Beatriz Tess propôs para discussão a criação de um Comitê Consultivo Nacional reafirmado enquanto instância política e a criação de Câmaras Técnicas responsáveis pela operação das fontes de informação da BVS-SP, tendo resguardadas suas representatividades no Comitê Consultivo.

    Abel Packer sugeriu a ampliação da discussão para a criação de um Comitê Consultivo Nacional da BVS que englobaria todos os temas em desenvolvimento na BVS, em que cada iniciativa contará com sua Câmara Técnica específica.

    Como recomendação, Beatriz e Abel se comprometeram a elaborar uma proposta de reformulação do Comitê Consultivo Nacional, para análise e aprovação na lista de discussão da BVS-SP.

    A reunião prosseguiu com a apresentação do estado atual de cada um dos projetos prioritários, elencados a seguir:

    • Controle bibliográfico
      - Foi apresentado quadro com informações numéricas das base de dados bibliográficas; recomendando-se um esforço maior das instituições responsáveis pelas bases na ampliação a coleta e entrada de dados para melhorar o controle bibliográfico.
      - Referendou-se a inclusão da base de dados HISA (História da Saúde Pública na América Latina e Caribe) desenvolvida pela biblioteca da Casa de Oswaldo Cruz/FIOCRUZ.
    • Diretórios
      - Apresentou-se a situação dos diretórios disponíveis na BVS-SP. Em relação ao diretório de eventos, ficou acordado que a nova versão da metodologia será disponibilizada à ENSP/FIOCRUZ no mês de agosto. O diretório de pesquisadores aguarda para o mês de julho que o CNPq atualize os dados; enquanto o de grupos de pesquisa deverá ser atualizado no mês de outubro, com os dados do censo 2002.
    • Catálogos de revistas
      - A base contempla 388 títulos de revistas, sendo 51 títulos nacionais. Observou-se que portal de revistas da CAPES é pouco representativo na área de saúde pública é recomendou-se que as instituições do Comitê indiquem mais títulos para aquisição.
    • Localizador de informação em saúde pública
      - Referendou-se a iniciativa da FSP em realizar um seminário para discussão de melhorias na metodologia e operação do LIS a realizar-se em agosto.
      - Encaminhou-se a proposta de atualização semanal dos destaques.
    • Desenvolvimento e atualização da terminologia em saúde pública
      - Informou-se que a integração das áreas e subáreas temáticas à estrutura do DeCS terá início em julho, sob coordenação da BIREME e com a cooperação da rede de instituições da BVS-SP.
      - Estando previsto o lançamento da versão preliminar em novembro
    • Destaques/notícias
      - Encaminhou-se proposta de termos de referência da pauta: informação relacionada com resultados de pesquisa científica, eventos de caráter científico, revisão, inovação, resultados de seminários, definição de políticas. Recomendou-se evitar a inclusão de informação de caráter institucional ou de caráter político
      - Recomendou-se o envio de pelo menos um destaque semanal de cada instituição
      - Pendência: discutir como armazenar os destaques/notícias numa base que permita posterior recuperação.
    • Textos Completos
      - Apresentou-se o número de registros em formato de texto completo e se enfatizou a operação de coleções de textos completos na BVS-SP segundo os critérios: descrição bibliográfica e indexação da LILACS; endereço eletrônico no campo 8; qualquer formato de documento (word, html, pdf, etc) e uso da metodologia SciELO de modo seletivo.
      - Divulgou-se a proposta de Política Editorial de Textos Completos para análise do Comitê Consultivo e posterior aprovação.
    • Indicadores
      - Recomendou-se a retomada deste projeto em parceria com a RIPSA para conectividade dos indicadores com a literatura científica disponível na BVS-SP.
    • Programa de capacitação da BVS-SP
      - Apresentou-se o programa de cursos da BVS-SP para o ano de 2002, que inclui10 cursos distribuídos em todas as regiões do país.
      - Marcia Rollemberg (MS) comentou que os curso já realizado no MS treinou 72 profissionais e 9 replicadores.
    • Plano de marketing
      - Informou-se a participação da BIREME em 7 eventos da área de saúde pública para divulgar a BVS-SP no primeiro semestre de 2002.
      - Ficou definida a necessidade de elaboração de um plano de marketing que possa ser estendido a todas as instituições do Comitê Consultivo Nacional e que seja previsto para o ano todo.
      - Recomenda-se a reimpressão do material utilizado no lançamento da BVS-SP, à exceção dos pins e das bolsas.
      - Por orientação da Coordenadora de Promoção e Eventos do Ministério da Saúde, ficou determinado que o logo do Governo Federal- Trabalhando em todo o Brasil seja excluído completamente de todo material promocional da BVS a ser distribuído no período de 8 de julho a 15 de novembro de 2002, por vigência da Lei Eleitoral, que proíbe propaganda institucional durante o período de campanha eleitoral.
    • Informação para Tomadores de Decisão (ITD)
      - Foi apresentado o informe das atividades realizadas, que incluem: constituição e reunião do Grupo Focal, definição dos temas prioritários, elaboração do Termo de Referência, contratação de consultores, desenvolvimento de fontes de informação por tema (etapa 1- produtos parciais).
      - As atividades previstas para o ano de 2002 referem-se a: reuniões do Grupo Focal (23/07, 05/09 e 07/11 de 2002), desenvolvimento de fontes de informação por tema - etapa 2, articulação entre conteúdos, design do 'espaço da gestão' na BVS SP e desenvolvimento de metodologia para organização, recuperação, navegação adequadas às fontes de informação.
    • Financiamento do Projeto
      - Abel Packer (BIREME) informou que está sendo negociada a liberação de recursos para manutenção da BVS Saúde Pública por mais 18 meses, em três instâncias: financiamento de novos projetos, fortalecimento do Ministério da Saúde com o objetivo de ampliar suas capacidades no domínio das tecnologias de informação e montagem de unidades de acesso à BVS-SP em secretarias de saúde.

    Nada mais tendo a discutir, agradeceu-se a presença de todos e deu-se por encerrada a reunião da qual lavrou-se esta ata.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 5ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - Brasília, 26 de março de 2001

    Brasília, 26 de março de 2001
    Local: Ministério da Saúde, em Brasília

    Participantes

    1. OPAS-BR: João Baptista Risi Júnior e Fernanda Nahuz
    2. Ministério da Saúde: Márcia Rollemberg, Beatriz H. Tess, Maria Rebeca Otero Gomes, Alexandre Maciel, João Mafalda de Carvalho e Raquel Machado Santos (Funasa)
    3. FIOCRUZ/RJ: Maria Élide Bortoleto e Jussara Long
    4. Faculdade de Saúde Pública/USP: João Yunes, Maria Teresinha Andrade e Angela Cuenca
    5. BIREME: Abel Laerte Packer, Regina Castro e Renata Ciol

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com as boas-vindas aos participantes por Márcia Rollemberg, do Ministério da Saúde, que agradeceu a presença de todos e reafirmou a importância da reunião.

    Em seguida, passou a palavra a Abel Packer, Diretor da BIREME, que deu início à sua apresentação fazendo um breve histórico do projeto BVS-SP Brasil, área de Saúde Pública no Brasil no contexto da Biblioteca Virtual em Saúde. Posteriormente apresentou um resumo das decisões das reuniões anteriores e da agenda da reunião, a saber: proposta da matriz indicativa das responsabilidades de cada instituição no desenvolvimento da BVS, distribuição dos recursos do Ministério da Saúde para os projetos prioritários da BVS-SP, além de abordar a questão do representante da BVS-SP no CRICS em Cuba e da seleção do profissional de saúde pública em vias de contratação.

    Em seguida mostrou aos presentes uma planilha com a distribuição dos recursos e detalhamento de cada projeto, segundo a matriz de cooperação.

    A segunda etapa da reunião foi reservada para discussão e detalhamento dos projetos prioritários, elencados a seguir:

    • Áreas temáticas em saúde pública:
      · João Yunes (FSP/USP) apresentou andamento do Grupo de Trabalho da Estrutura Temática da BVS-SP;
      · Rebeca Otero (MS) apresentou documento do Ministério da Saúde sobre as metas prioritárias, que deverá ser utilizado pelo GT sobre Estrutura Temática, articulado na FSP, para definição das áreas temáticas a serem desenvolvidas na BVS-SP
      · Como recomendação, sugeriu-se analisar todos os temas propostos pelo GT e divulgá-los na lista de discussão do Comitê Consultivo Nacional para a decisão final.
    • Funções essenciais de saúde pública:
      · Abel (BIREME) explicou tratar-se de uma iniciativa regional da OPAS para a definição e avaliação das funções essenciais de saúde pública. Sugeriu a criação dessa área na BVS-SP para complementar as áreas temáticas de apoio a gestão.
    • Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública:
      · Este projeto possui dois componentes essenciais: operação de fontes de informação e desenvolvimento de metodologia para preparar essas fontes. A BIREME atuará no desenvolvimento da metodologia das fontes de informação para tomada de decisão. Para o desenvolvimento e operação das fontes de informação foram propostos a formação de três grupos de trabalho coordenados pela FSP/USP, ENSP/FIOCRUZ e Abrasco, que serão responsáveis pela validação dos temas propostos e de seus respectivos protótipos.
      · Recomendou-se que os temas prioritários (em número máximo de 7) sejam definidos até o final de abril para que se possa agendar para maio a primeira reunião do grupo focal.
      · Quanto à disponibilização de indicadores de saúde na BVS-SP, João Risi (OPAS-BR) citou o projeto da aplicação Sala de Situação para os municípios, cujo objetivo é contextualizar a informação no âmbito municipal. Foi recomendada a participação ativa da RIPSA e RNIS nessa fonte de informação.
    • Controle bibliográfico da literatura nacional:
      · Regina (BIREME) apresentou este projeto como um sub-produto da base de dados LILACS, com o objetivo de fortalecer o controle bibliográfico na área de Saúde Pública da área acadêmica e de pesquisa e da área governamental e de serviços. A criação desse subproduto da LILACS, a LILACS-SP - está em processo. Para dar cumprimento a esse objetivo, comentou que a FSP/USP participou do processo de identificação de registros LILACS relevantes para a LILACS-SP.
      · Ficou decidido que a FSP/USP será responsável pelo controle bibliográfico da área acadêmica e de pesquisa e o MS pela área de governo e serviços.
      · Em relação à área governamental, Márcia Rollemberg (MS) questionou a necessidade de recursos para a coleta de documentos das secretarias estaduais, municipais e demais agências do Ministério da Saúde. Sob esse aspecto, Abel afirmou a necessidade de recursos complementares para desmembramento deste projeto.
    • Desenvolvimento e atualização da terminologia em saúde pública:
      · Regina (BIREME) explicou a necessidade de analisar a terminologia atual em relação à literatura existente e a demandas futuras de terminologia da área de saúde pública, projeto fundamental para subsidiar os demais projetos de desenvolvimento das fontes de informação da BVS-SP.
      · Jussara (ENSP) afirmou que o Ministério da Saúde tem algumas portarias sobre terminologia que precisam ser analisadas para inclusão no DeCS.
      · Abel (BIREME) citou a possibilidade de utilização de software para administração de conhecimento, que permite associar linguagem natural com linguagem documentária, cujo êxito requer a atualização da terminologia.
    • Localizador de Informação em saúde pública:
      · Ficou definida a participação de todas as instituições representadas no Comitê Consultivo Nacional nesse projeto, que será coordenado pela Faculdade de Saúde Pública da USP.
    • Comunicação:
      · Márcia Rollemberg (MS) está retomando este projeto em relação à autorização para publicação das notícias no site da BVS-SP.
    • Diretórios:
      · Mesmo não fazendo parte dos sete projetos prioritários da BVS-SP, discutiu-se a estrutura desses diretórios e recomendou-se a discussão mais detalhada dos componentes desse projeto.
      · Para o Ministério da Saúde é fundamental possuir os diretórios de pesquisadores e de projetos, mas é necessário definir que tipos de projetos deverão ser incluídos.
      · Em relação ao diretório de eventos e cursos, Abel (BIREME) sugeriu que Márcia Rollemberg (MS) coordene uma reunião sobre eventos e que a FIOCRUZ seja responsável pelo diretório de cursos.
    • Programa de capacitação da BVS-SP:
      · Abel (BIREME) recomendou que o projeto tenha início mesmo que a BVS-SP não esteja totalmente pronta.
    • Plano de marketing:
      · Abel (BIREME) se reunirá com Beatriz Tess (MS) para articular o lançamento da BVS-SP, previsto para final de agosto de 2001.

    Recomendações

    · Abel (BIREME) informou que os contratos sobre a liberação de recursos serão elaborados individualmente com cada instituição-membro do Comitê Consultivo Nacional;
    · Em relação ao profissional de saúde pública a ser contratado, a BIREME fará a triagem dos candidatos e deverá ser criado um Comitê de Seleção que indicará três candidatos para que a BIREME defina quem será contratado;
    · Sobre o CRICS, ficou acordado que o Comitê Consultivo Nacional indicará a pessoa que representará o Brasil no evento, para apresentar o andamento da BVS como um todo e abordar a BVS-SP. Abel sugeriu que o representante seja do Ministério da Saúde, o que foi prontamente aceito pelo Comitê.

    Nada mais tendo a discutir, agradeceu-se a presença de todos e deu-se por encerrada a reunião da qual lavrou-se esta ata.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 4ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - São Paulo, 20 de março de 2000

    São Paulo, 20 de março de 2000
    Local: sede da BIREME em São Paulo

    Participantes

    1. Representante(s) da OPAS
    2. Representante(s) do Ministério da Saúde
    3. Representante(s) da FIOCRUZ/RJ
    4. Representante(s) do NESC/FIOCRUZ/Recife
    5. Representante(s) da ABRASCO/SP
    6. Representante(s) da FSP
    7. Representante(s) da FM/USP
    8. Representante(s) da BIREME.

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com as boas-vindas aos participantes por Abel Laerte Packer, diretor da BIREME, que deu início à sua apresentação fazendo um resumo das decisões das reuniões anteriores, apresentando posteriormente a agenda da reunião e alguns esclarecimentos sobre os recursos do Ministério da Saúde para os projetos prioritários da BVS-SP que estão pendentes de liberação. Passou em seguida a apresentar para discussão cada um dos projetos prioritários e respectivo encaminhamento.

    A seguir passou a palavra para a Profa. Dra. Marcia Westphal, vice diretora da FSP/USP e ao Prof. Dr. Paulo Elias, FM/USP para que apresentassem um resumo do projeto especial 'Informação no processo de tomada de decisão em saúde: o caso do Estado de São Paulo' (I2TD). O Dr. Alberto Pellegrini Filho, Coordenador do Programa de Apoio à Pesquisa da Divisão de Saúde e Desenvolvimento Humano da OPAS, apresentou um breve resumo do projeto DECIDES - 'Democratizando o conhecimento e a informação para o direito à Saúde', que encontra-se em andamento.

    A segunda etapa da reunião foi reservada para discussão e detalhamento dos seguintes tópicos:

    • Importância de representações técnicas e políticas e ampliação da composição do Comitê Consultivo Nacional da BVS-SP.
    • Detalhamento do encaminhamento de cada um dos projetos prioritários:
      - Fontes de Informação para apoio aos tomadores de decisão;
      - Acesso à literatura científico-técnica em saúde pública;
      - Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública;
      - Controle bibliográfico da literatura nacional em saúde pública;
      - DeCS - Terminologia em saúde pública;
      - LIS - Localizador de Informação em saúde pública;
      - Marketing; - Capacitação
      - Como integrar à BVS-SP os resultados dos projetos como o I2TD , DECIDES, municípios saudáveis e outros, utilizando instâncias que já existem.


    Recomendações

    • Comitê Consultivo Nacional: formalização da participação das Instituições para operacionalização interna das mesmas.
    • Recursos: Será efetuada uma matriz de distribuição de recursos por projeto de acordo com a redução dos mesmos e para garantir sua viabilização. Esta matriz será preparada pela BIREME e enviada por correio eletrônico.Dos Projetos Prioritários:
    • Projeto Fontes de Informação de apoio à tomadores de decisão:
      - se aprova a composição do grupo focal, que deverá ser formado por 3 representantes do Ministério da Saúde, 3 representantes das Secretarias Estaduais de Saúde, 5 representantes das Secretarias Municipais de Saúde, 1 representante da ABRASCO, 1 da Escola Nacional de Saúde Pública da FIOCRUZ, 1 da Faculdade de Saúde Pública da USP, 1 representante da OPAS e convidados especiais, e a inserção do Centro de Pesquisas 'Aggeu Magalhães'/NESC da FIOCRUZ em Recife nos projetos em andamento.
      - se aprova a composição e as funções gestoras do grupo de Coordenação Operacional, que será formado por um Profissional de Saúde Pública como coordenador, um Bibliotecário e um Programador-analista e funcionará na BIREME.
      - se aprova a ampliação da lista de discussão para contemplar também os membros do grupo focal. A discussão inicial na lista deverá ser a dos tópicos e problemas prioritários passíveis de implantação.
      - foram acrescentados ao tópico de apoio à gestão local de saúde os seguintes temas: qualidades de gestão; acesso à legislação estadual e municipal; exemplos de modelos; clipping de notícias; promoção de participação da comunidade.
      - se aprova que sejam realizadas 5 reuniões com o grupo focal, com uma reunião inicial para análise do projeto e de propostas concretas de tópicos e problemas a serem considerados, e que serão organizadas pelo Grupo de Coordenação operacional com ajuda dos membros do Comitê Consultivo Nacional da BVS-SP.
      - que a metodologia adotada no projeto I2TD seja analisada e adotada no desenvolvimento deste projeto.
    • Projeto Acesso à literatura científico-técnica em Saúde Pública:
      - se recomenda que sejam efetuadas definições técnicas e respectivas formalizações no âmbito das instituições.
      - se sugere que o Ministério da Saúde processe sua própria coleção e a coleção das Secretarias Estaduais
      - se recomenda iniciar esse projeto com os catálogos já prontos ao final de maio de 2000
    • Projeto Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública
      - se aprova que pelo menos 4 coleções nacionais de textos completos em saúde pública estejam operando em rede na BVS e que sejam elas da FSP, do MS, da FIOCRUZ e da Representação da OPAS/BR
      - se recomenda que a metodologia (SciELO monografia) deverá estar pronta até o final de maio 2000
      - se recomenda que um comitê interno a cada instituição aprove as séries para publicação
      - se sugere que seja considerado como um critério a recomendação da banca para a publicação, nos casos de teses de mestrado e doutorado
      - se aprova que será efetuada uma reunião técnica específica do projeto
    • Projeto controle bibliográfico da literatura nacional em saúde pública
      - se recomenda a definição de uma rede de centros processadores a partir do núcleo formado pela FIOCRUZ/ENSP, FSP/USP e Ministério da Saúde
      - se aprova que deverá ser estabelecida a área temática e a área geográfica das bases de dados
      - se aprova que será efetuada uma reunião técnica específica do projeto
    • Projeto Terminologia em saúde pública
      - se aprova a inclusão de um representante do Centro de Documentação do Ministério da Saúde como parte do grupo técnico de desenvolvimento do projeto
      - se aprova o seu início imediato
      - se aprova que será efetuada uma reunião técnica específica do projeto
    • Projeto LIS - Localizador de Informação em saúde
      - se aprova que será efetuada uma reunião técnica específica do projeto para o estabelecimento de um grupo de trabalho de operação do catálogo LIS e sua respectiva operação descentralizada
    • Projeto Marketing
      - se aprova que deverá ser formulado e implantado um plano de marketing da BVS-SP
      - se recomenda que seja efetuado um estudo de avaliação da demanda
      - será elaborada uma área de notícias sobre o processo e experiência de implantação da BVS-SP e com uma área de acompanhamento dos projetos
    • Projeto capacitação
      - se aprova que o público alvo deverá ser composto por intermediários (bibliotecas); usuários (profissionais e autoridades); produtores (profissionais responsáveis pela organização e execução)
    • Sejam utilizadas as ações dos projetos da BVS-SP para alavancar as participações de Instituições
    • Que sejam desenvolvidas outras fontes de informação para serem incorporadas à BVS-SP como: sala de situação, assim como dados geo-referenciais
    • A liderança da BVS-SP como um todo deverá nascer do desenvolvimento de cada projeto e será conseqüência natural das lideranças específicas

    Nada mais tendo a discutir, agradeceu-se a presença de todos e deu-se por encerrada a reunião da qual lavrou-se esta ata.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 3ª Reunião do Comitê Consultivo da Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - São Paulo, 15 de outubro de 1999

    São Paulo, 15 de outubro de 1999
    Local: instalações da Biblioteca e Centro de Informação e Referência da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

    Participantes

    1. Representante(s) da OPAS
    2. Representante(s) do Ministério da Saúde
    3. Representante(s) da FIOCRUZ/RJ
    4. Representante(s) do NESC/FIOCRUZ/Recife
    5. Representante(s) da ABRASCO/SP
    6. Representante(s) da FSP
    7. Representante(s) da BIREME

    Desenvolvimento

    A reunião teve início com as boas-vindas da Profa. Marcia Westphal, vice-diretora da FSP/USP. Em seguida, Abel Laerte Packer, diretor da BIREME, deu início à sua apresentação fazendo um resumo das decisões das reuniões anteriores e da reunião para captação de recursos para a viabilização da BVS-SP (realizada em Brasília com a participação do Ministério da Saúde, da OPAS e da BIREME), seguindo com a apresentação dos 7 projetos considerados prioritários pelo Comitê Consultivo da BVS. Seguiu-se a apresentação da Profa. Maria Terezinha Dias de Andrade, Diretora da Biblioteca da FSP/USP sobre o projeto SciELO Monografias da FSP/USP.

    A segunda etapa da reunião foi reservada para a discussão de cada um dos projetos propostos e considerados prioritários para a implantação da BVS-SP.

    Discussões sobre os projetos propostos para a BVS-SP. Foram discutidos os seguintes tópicos:

    • a distribuição dos recursos financeiros entre os projetos em relação às prioridades das fontes financiadoras;
    • o desembolso dos recursos financeiros por parte das fontes financiadoras;
    • a liderança no desenvolvimento de cada projeto e na BVS-SP como um todo;
    • a continuidade das atividades iniciadas com os projetos, como o de controle bibliográfico e outros;
    • a ausência do projeto dos diretórios no grupo dos projetos prioritários;
    • a necessidade de articulações com o Ministério da Ciência e Tecnologia e com o Ministério da Educação.

    Recomendações

    • Projetos apresentados: os 7 projetos prioritários foram aprovados, considerando-se também os projetos de desenvolvimento de Diretórios e Notícias como prioritários, embora não estejam incluídos nos 7 projetos iniciais. Conta-se com a cooperação dos membros do Comitê Consultivo da BVS no envio de sugestões para a redação final do texto dos projetos.
    • Liberação de recursos financeiros: serão efetuadas diligências junto às fontes financiadoras para solicitar o desembolso global dos recursos financeiros para o desenvolvimento dos projetos, garantindo assim igual prioridade a todos, independente de suas prioridades junto à instituição financiadora;
    • Necessidade de recursos específicos: as instituições participantes que necessitarem de recursos financeiros específicos deverão direcionar projetos de financiamento à parte, uma vez que os recursos dos projetos não poderão ser utilizados em benefício da própria instituição;
    • Liderança: a liderança da BVS-SP como um todo deverá nascer do desenvolvimento de cada projeto e será conseqüência natural das lideranças específicas;
    • Continuidade: as atividades iniciadas com os projetos têm sua fundamentação nos princípios de cooperação científico-técnica exercidos e efetivados pela Rede Brasileira de Informação em Ciências da Saúde desde 1984, garantindo assim a continuidade das atividades iniciadas com os projetos;
    • Articulações: serão efetuadas as articulações com o Ministério da Ciência e Tecnologia e com o Ministério da Educação, assim como com outros ministérios e órgãos ou institutos que possam ser considerados relevantes para o desenvolvimento dos projetos;
    • Atividades: as atividades do projeto serão iniciadas tão logo estejam disponíveis os respectivos recursos financeiros.

    Nada mais tendo a discutir, agradeceu-se a presença de todos e deu-se por encerrada a reunião da qual lavrou-se esta ata.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 2ª Reunião sobre a Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - Rio de Janeiro, 23 de junho de 1999

    Rio de Janeiro, 23 de junho de 1999
    Local: campus da FIOCRUZ em Manguinhos, Rio de Janeiro

    Participantes

    1. Ministério da Saúde: Maria Auxiliadora Benevides e Ivan Tuyoshi M. Kakimoto
    2. Representação da OPAS no Brasil: Antonio Carlos Silveira
    3. ABRASCO: Moises Goldbaun
    4. Representante(s) da FIOCRUZ
    5. Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães: Eduardo Freese de Carvalho
    6. Escola Nacional de Saúde Pública: Paulo M. Buss, Jussara Long
    7. CICT: Maria Élide Bortoletto
    8. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo: Maria Terezinha Dias de Andrade e Benedita S. Campos Sadi
    9. BIREME: Abel Laerte Packer, Elenice de Castro e Regina Castro

    Desenvolvimento

    Após as palavras de boas vindas de Paulo Buss, diretor da ENSP, a reunião teve início com a apresentação da 'Proposta de Projetos para a Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil' por Abel L. Packer.

    No segundo período, tendo sido aprovada por unanimidade a Proposta de Projetos da BVS-SP, iniciaram-se as discussões sobre cada um dos projetos propostos. Foi proposto que se discutissem quais seriam os projetos prioritários. Alguns dos presentes manifestaram maior interesse nos Projetos 1, 2 e 4, a saber:
    - BVS-SP-1: Literatura científica e técnica em Saúde Pública
    - BVS-SP-2: Catálogos de instituições, especialistas, projetos, cursos e
    eventos
    - BVS-SP-4: Informação para tomadores de decisão em Saúde Pública

    Foi aprovada a criação do Comitê Nacional da BVS-SP, definidas as instituições integrantes e respectivas atribuições. Estabeleceu-se que a formalização do Comitê se fará no decorrer de seu funcionamento.

    Discussões sobre os Projetos da BVS-SP

    Foram discutidos os seguintes tópicos:

    • Recursos
      - O elenco de projetos prioritários deverá ser definido de acordo com os recursos disponíveis;
      - Será desenvolvida uma proposta conjunta OPAS, Ministério da Saúde e BIREME para a identificação de recursos e possíveis fontes de financiamento. A BIREME preparará uma planilha modular de custos;
      - Deverão ser acionados os parceiros tradicionais para cooperação, como:
      - MEC, através da CAPES, com catálogo de instituições, financiamento de revistas, catálogo de pesquisas;
      - MCT, através do CNPq, com catálogo de pesquisas;
      - Centro de Documentação da OPAS;
      - Centro de Documentação do Ministério da Saúde.
    • Conteúdo dos projetos
      - O Comitê propôs acrescentar como um projeto separado o desenvolvimento de critérios de avaliação e seleção de fontes de informação;
      - A base de dados LILACS reforçará a coleta e registro de documentos na área de Saúde Pública, dentro do escopo temático do DeCS. A base AdSAÚDE não perderá sua identidade, embora absorvida na BVS-SP;
      - Em resposta à sugestão de que se criasse uma base de dados com
      critérios de qualidade mais estritos, a BIREME informou sobre a iniciativa
      de selecionar revistas LILACS que deverão estar em forma eletrônica e sobre o site da SciELO-Saúde Pública;
      - Os diretórios deverão ter alimentação descentralizada e deverão ser estabelecidos critérios para certificação dos registros;
      - O representante do Instituto Aggeu Magalhães propôs colaborar para ampliar a participação da produção científica regional na base de dados LILACS, principalmente na área de Saúde Pública;
      - A BVS-SP deverá retratar a interdisciplinaridade da área de Saúde Pública, selecionando documentos de outras áreas (meio ambiente, ciências sociais);
      - A representante da ENSP solicitou que sejam feitos contatos com a distribuidora de vídeos do CICT/FIOCRUZ para o projeto de educação à distância, pois esta conta com grande coleção de vídeo e materiais audio-visuais na área da saúde;
      - O Centro de Documentação do Ministério da Saúde deverá contribuir de forma mais ativa, principalmente com o registro de legislação em saúde em formato eletrônico, de documentos gerados pelo Ministério e com os resultados de atendimento das demandas de informação vindas de prefeituras do interior (SUS e municípios);
      - Será iniciada imediatamente a reestruturação e atualização da categoria de termos de Saúde Pública no DeCS - Descritores em Ciências da Saúde, em projeto conjunto da ENSP/FIOCRUZ, FSP/USP e BIREME, tendo como data prevista para término março de 2000.
    • Marketing
      - Deverá ser definido o público alvo com estratégias para avaliação, abrindo-se um espaço de participação do público: se atinge o público, se atende o público e o que o público tem a dizer;
      - Deverá ser estabelecida uma estratégia de marketing com o sentido de ampliar abrangência do público alvo para além da comunidade científica, abrangendo Conselhos de classe, Centrais sindicais, Conselhos profissionais etc.

    Calendário de ações

    - Deverá ser estabelecida pela BIREME uma lista de discussão entre os membros do Comitê;
    - Deverá ser acrescentado um projeto específico sobre os critérios de seleção da BVS-SP;
    - Ampliar projeto de marketing da BVS-SP;
    - Agendar reunião em Brasília entre OPAS/MS/BIREME para a preparação de projeto para obtenção de recursos;
    - Identificar de lideranças para os diferentes projetos;
    - Formalizar o Comitê Nacional da BVS-SP.

    A próxima reunião será convocada quando fatos novos assim o exigirem, tendo sido apontada como data provável o mês de agosto. A Faculdade de Saúde Pública/USP ofereceu suas instalações para a próxima reunião.

    Conclusões

    A reunião representou um avanço, com a definição e aprovação dos projetos específicos para o desenvolvimento da BVS-SP no Brasil.

    A lista de discussão que deverá ser criada pela BIREME contribuirá para a comunicação entre os membros do Comitê Nacional, especialmente no que se refere ao estabelecimento das lideranças e detalhamento de cada sub-projeto.

    [ ← Show Excerpt ]
  • 1ª Reunião sobre a Biblioteca Virtual em Saúde Pública Brasil

    - Brasília, 04 de maio de 1999

    Brasília, 04 de maio de 1999
    Local: edifício da Representação da OPS/OMS em Brasília

    Participantes

    1. Ministério da Saúde: João Yunes
    2. OPAS: Alex Rodrigues, Angel Valencia, Antonio Carlos Silveira, Carlos Wilson, Cláudia Marques, Irene Rosa da Silva, Jacobo Finkelman e Maria Telma Freitas
    3. Representante(s) da FIOCRUZ
    4. CICT - Jussara Long e Maria Élide Bortoletto
    5. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo - Maria Terezinha Dias de Andrade e Benedita S. Campos Sadi
    6. BIREME - Abel Laerte Packer e Regina Castro

    Desenvolvimento

    Nesta reunião foi apresentada a Proposta de Projetos para a Biblioteca Virtual em Saúde Pública do Brasil, além da criação do Comitê Nacional da BVS-SP e definição das instituições integrantes e respectivas atribuições.

    [ ← Show Excerpt ]
  • Reuniões Temáticas
  • Reuniões Técnicas